terça-feira, 18 de outubro de 2016

As canções virginianas dos musicais




  Virgem

Signo de terra regido por Mercúrio, que confere raciocínio lógico, inteligência, bastante sensibilidade, agilidade mental, capacidade de análise e poder de observação. Conservador e perfeccionista, um virgem tende a preocupar-se demasiado e seu lado difícil pode levar-lhe a ser excessivamente crítico e duro com os demais.




"Anything Goes"
Anything Goes
(Cole Porter)


"Antigamente um lance de meia-calça
Era visto como algo chocante
Mas hoje em dia só Deus sabe
Vale tudo! (...)
O mundo ficou louco
E hoje o bom é mau,
E hoje o branco é preto,
E hoje o dia é noite,
E hoje a maioria dos caras,
Que hoje as mulheres desejam,
São reles gigolôs"
Anything Goes é uma das obras primas de Cole Porter, um dos mais cultuados compositores do século XX, uma comédia musical sobre trapalhadas diversas em um transatlântico partindo de Nova York para Londres. O musical estreou em 1934 e já foi remontado várias outras vezes na Broadway, e teve seu roteiro reescrito em todas elas. Foi também duas vezes adaptado para o cinema. Ethel Merman foi a estrela da montagem original e do primeiro filme, e Patti Lupone e Sutton Foster protagonizaram duas das produções mais recentes.




Seu lado positivo: Modéstia, inteligência e timidez. Os virginianos são bastante reservados, mas muito afetuosos, demonstrando seus sentimentos com atitudes delicadas e pouco comuns. Apresentam uma imagem convencional. Costumam casar, ter filhos, construir uma família, já que são filhos do elemento terra e por isso precisam de estruturas bem definidas em suas vidas pessoais e profissionais.


Pouco depois da sua estreia na Broadway, 
A Pequena Loja de Horrores de Menken e Ashman foi adaptado para o cinema, estrelado por Rick Moranis, com o final mudado porque desagradou plateias testes. Ashman faleceu em 91, após ter composto para a Disney as canções de A Pequena Sereia e A Bela e a Fera, mas Menken continua na ativa e firme e forte com a parceria, que já lhe rendeu diversos Oscars. Em Somewhere That’s Green, Audrey sonha com uma vida de dona de casa de uma tradicional família suburbana.


"Somewhere That's Green"
Little Shop of Horrors
(Menken/Ashman)


"Um cantinho nosso
Uma cerca de arame de verdade
Uma grelha no terraço
Triturador na pia
Uma máquina de lavar e secar
E um ferro de passar
Em uma casa para compartilharmos
Um lugar que seja verde"


Adaptam-se bem a qualquer trabalho que exija atenção à detalhes. São críticos e introspectivos, perfeccionistas, minunciosos. Virginianos costumam ser meticulosos, práticos e trabalhadores. Têm grande capacidade analítica e são fiáveis.




"Try Me"
She Loves Me 
(Bock/Harnick)

"Eu tenho me treinado
Indo de prateleira em prateleira,
E conheço cada item na loja,
Cada tubo, frasco, caixa, garrafa,
Embalagem e recipiente,
Onde estão,
Quanto custam,
Para que servem...”
Comédia romântica que estreou na Boadway em 1963, She Loves Me é uma adaptação da peça húngara Parfumerie, e conta a história de um apaixonado casal que ainda não se conheceu e se relaciona apenas correspon- dência, sem saberem que na verdade eles trabalham juntos e se detestam. Em Try Me, Arpad, um dos funcionários, tenta convencer seu chefe a promovê-lo no trabalho, listando todas suas qualidades e realizações.



As pessoas de Virgem são organizadas e trabalhadoras. O trabalho é, na verdade, o foco principal da vida, da maioria das pessoas desse signo. São práticos, e saem-se bem no trato com o público, no comércio, artes, educação, entre outras coisas.


Em 1975 A Chorus Line estreou na Broadway e logo se tornou o musical do ano, e foi montado por todo o mundo. A história sobre dançarinos e seus desafios durante uma audição para um espetáculo da Broadway cativou as mais diversas platéias. Na canção What I Did For Love, após um acidente na audição, Diana decide não ter arrependimentos e guardar as boas recordações da carreira artística, inosbtante do que ocorra dali pra frente.


"What I Did For Love"
A Chorus Line
(Hamlisch/Kleban)


"E não me esquecerei
Do que fiz por amor
Do que fiz por amor...
O amor nunca se vai
À medida que caminhamos
O amor é o que vamos nos recordar"



Gostam da vida sã, fazer listas, ordem e higiene. Não gostam de sujeira, desordem, perigo, a incerteza. O virginiano tem verdadeira obsessão por organização e limpeza. Sua casa é muito arrumada, limpíssima e cheia de objetos e plantas. Vive num ambiente prático e funcional e dificilmente estraga ou perde alguma coisa.




"Happy Working Song"
Encantada
(Menken/Schwartz)

"Vamos amiguinhos trabalhar
Entoando esta feliz canção
Suas vozes muito fortes são
Mãos à obra vamos todos afinando
Na cozinha começando à cantar em união
Podem esfregar a banheira
Pra tirar as manchas num estalo
E uma bola de cabelo do ralo
Bem felizes por entoar esta canção""
Encantada é um filme musical em que a Disney debocha de si mesma e das suas princesas, que esperam por seus príncipes encantados no cavalo branco. Feita nos moldes dos musicais teatrais, Encantada foi um sucesso de bilheteria mundial, e provavelmente ganhará sua versão dos palcos em breve. Alan Menken e Stephen Schwartz ficaram responsáveis pela trilha sonora. Em Happy Working Song, logo após chegar em Nova York e ser acolhida por Robert em seu bagunçado apartamento, Giselle decide fazer a Cinderella e chamar os bichinhos para lhe ajudar a limpar a casa, só para passar o tempo e se divertir.




Esse perfil costuma criar dificuldades em fazer amizades, pois torna-os muito seletivos. São avessos às pessoas vulgares. Sentem-se à vontade em ambientes culturais ou com amigos intelectuais. Gostam de armazenar conhecimento, e se interessam por análise e pesquisa. Quando em desarmonia, podem ser submissos, nervosos, pedantes, materialistas, solitários. Gostam de música, do clássico ao new age, artesanato, antiguidades, qualquer atividade prática.

Uma qualidade: Versatilidade
Um defeito: Ceticismo


Frases e Ditados


É melhor prevenir do que remediar.

“Você não viveu hoje até ter feito algo para alguém que nunca vai poder te retribuir.”
—John Bunyan



A Princesa e O Sapo é uma animação da Disney de 2009, que marca por introduzir a primeira (e tardia) princesa negra do estúdio. A história é baseada no conto dos irmãos Grimm O Príncipe Sapo e se passa em Nova Orleans, e fala de Tiana, que sonha em possuir seu próprio restaurante. Depois de beijar um príncipe que foi transformado em um sapo por um feiticeiro, Tiana também vira sapo e eles têm que encontrar uma maneira de voltar a serem humanos antes que seja tarde demais. A trilha sonora traz canções originais de Randy Newman, todas ao tradicional estilo jazz de Nova Orleans. Almost There foi indicada ao Oscar, e mostra o foco de Tiana em atingir seus objetivos.



"Almost There"
A Princesa e o Sapo
(Newman)


“Não tenho tempo para brincar
E não faz o meu estilo
Esta cidade pode te atrasar
Pessoas pegando o caminho mais fácil
Mas eu sei exatamente para onde vou
E estou a cada dia mais perto
E eu estou quase lá ”


De boas intenções o inferno está cheio.

“Você nunca sabe a força que tem. Até que a sua única alternativa é ser forte.”
—Johnny Dep
p





"Shy"
Once Upon a Mattress
(Mary Rodgers/Marshall Barer)

“Alguém está tímido
Não pode ser assim
Comigo, não
Não vê que estou
Tão acanhada quanto você?
E posso entender seu ponto de vista
Sempre fui tímida
Confesso que sou tímida
Não vê que esse ar de confiança
É uma máscara que eu uso
Porque eu sou tímida?”

O musical Once Upon A Mattress estreou na Broadway em 1959, uma adaptação livre do conto A Princesa e a Ervilha, de Hans Christian Andersen. A história fala de uma rainha má que impõe uma lei sob o reino de que ninguém pode se casar, enquanto o príncipe seu filho não encontrar uma princesa para se casar, mas ela rejeita todas as princesas que aparecem para o posto. O musical recebeu críticas medianas, mas caiu no gosto do público. Em Shy, a grosseira e espalhafatosa princesa Winnifred faz cena ao chegar pulando o muro do castelo, e logo procura pelo príncipe em meio a corte e aos súditos do reino, encantando a todos, menos a rainha.



O trabalho enobrece o homem.

“As coisas mais importantes são as mais difíceis de dizer.”
—Stephen King



Em 1999, a satírica animação de TV South Park já era sucesso em todo o mundo, quando lançou seu primeiro longa metragem para o cinema, em estilo musical, com diversas canções originais compostas para o filme. Em South Park: Maior, Melhor e Sem Cortes (o título brasileiro não consegue reproduzir o mesmo duplo sentido sexual que o original) depois de Stan, Kyle, Eric e Kenny verem um polêmico filme canadense e começarem a xingar sem parar, seus pais pressionam o governo americano para declarar guerra ao Canadá por supostamente corromper seus filhos. A canção Blame Canada foi indicada ao Oscar, e os autores se recusaram a deixá-la ser interpretada durante a cerimônia se apenas um trecho fosse apresentado. Robin Williams interpretou a canção inteira, em um dos momentos mais lembrados das transmissões recentes da cerimônia



"Blame Canada"
South Park: Bigger, Longer and Uncut
(Shaiman/Parker)


“Os tempos mudaram
Nossos filhos estão ficando piores
Eles não obedecem os pais
Só querem peidar e xingar!
Devemos culpar o governo?
Ou culpar a sociedade?
Ou culpar as imagens na TV?”




Fontes:
playbill.com | personare.com | euroresidentes.com | meuastrolabio.blogspot.com | wikipedia.org
vidaeestilo.terra.com.br | vagalume.com.br | wattpad.com | altoastral.com.br | wemystic.com.br
baudalola.com | perguntascretinas.com.br | thoughtcatalog.com | thezodiaccity.com






VITOR FERREIRA é ator com mestrado em "Motion Pictures and Television" pela Academy of Art University, em São Francisco/CA e designer gráfico formado pela UFPE. Vive atualmente em São Paulo.

Currículo e vídeo book: http://vffvitor.wixsite.com/ator
Portfólio de design: http://vffvitor.wixsite.com/portfolio

Nenhum comentário:

Postar um comentário