segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Oscar 2015

Depois do sucesso do ano passado, o Oscar tinha muitas expectativas a corresponder e chamaram o Neil Patrick Harris, que tem feito sucesso apresentando o Tony (o Oscar da Broadway). Apostaram também em algumas coisas que deram certo, como as músicas famosas de trilhas sonoras de filmes (que tinham Bonequinha de Luxo, De Volta Pro Futuro, A Fantástica Fábrica de Chocolate, Top Gun, Shaft, etc.) sendo tocadas por toda a noite pela orquestra, culminando com a homenagem a A Noviça Rebelde, com Lady Gaga.

Mas Neil Patrick Harris, como o apresentador, tentou fazer uma de suas criativas apresentações, mas não funcionou tanto no Oscar como costuma no Tony. Ele parecia desconfortável e desanimado às vezes, como se não gostasse do roteiro, e suas piadas não foram tão boas quanto às de Ellen ano passado. Talvez fosse fome, já que ele anda uma saracura. Ficou aquém também a de outro showman, Hugh Jackman, em 2009.

E não foi uma noite fraca só para Neil. Foi fraquíssima de resultados (Boyhood, meus sentimentos) e de frases também...

Frases da Noite:

Hoje nós celebramos os melhores e mais
brancos. Desculpem! Os mais brilhantes!
Neil Patrick Harris, criticando 
a falta de indicados de outras etnias.


É como se metade da platéia fosse os 7 indicados
e Sniper Americano fosse a Oprah.
NPH, fazendo piada com o fato do filme ter lucrado sozinho 
US$ 300mi dos US$ 600mi que todos os indicados lucraram 
juntos e com a famosa fortuna da apresentadora.


E o Actor vai para... Oscar vai para...
Lupita Nyong'o, se confundindo com o nome 
do Oscar com o prêmio entregue no SAG awards.


Sniper Americano tem Bradley Cooper como o
mais prolífico franco-atirador da história,
com 160 assassinatos confirmados. Ou o que
Harvey Weinstein chama de uma manhã devagar.
NPH, debochando do infame ex-executivo 
da Miramax, e da atual Weinstein Company.

Atuar é uma profissão nobre.
NPH, ao entrar de cueca no palco, 
numa citação à Birdman.

Nós lutamos pelos direitos civis de todos
e é hora de existir igualdade salarial para todos
e de haver direitos iguais para as mulheres.
Patricia Arquette, no melhor discurso da noite.

Nina Simone disse que é o dever de um
artista refletir o tempo em que vive.
John Legend, ao receber seu Oscar.
Benedict Cumberbatch é não só o mais incrível
nome no showbiz, mas é o que você consegue quando 
pede para John Travolta anunciar Ben Affleck.
NPH, antes de chamar Idina Menzel ao palco, 
relembrando que Travolta errou seu nome no ano passado.

Você quer que eu leia?
Idina Menzel, insinuando que John Travolta iria errar 
ao ler os nomes dos indicados a melhor canção.

Boa música faz mais do que ajudar um filme.
Ela o solidifica em nossa memória.
Julie Andrews, antes de anunciar os indicados à trilha sonora.

Eu li um artigo que dizia que ganhar um Oscar
 pode aumentar em 5 anos a vida de
alguém. Se for verdade agradeço à Academia
pois meu marido é mais novo que eu.
Julianne Moore, ao aceitar seu prêmio.



Melhores Momentos:

1. Lady Gaga, que deu um mega tabefe na cara dos detratores cantando a homenagem aos 50 anos de A Noviça Rebelde. Quem assistiu o Grammy viu o show que ela deu no seu dueto junto com Tony Bennett também. E Julie Andrews entrando no palco logo em seguida. Botou no chinelo aquela apresentação da Pink em homenagem a O Mágico de Oz no ano passado; 

2. Patricia Arquette exigindo igualdade salarial para mulheres e Julianne Moore finalmente ganhando o seu Oscar, depois de tantas indicações e trabalhos brilhantes;

3. O discurso John Legend e Common, ao ganhar o Oscar de canção por Glory do filme Selma. Selma foi bem enfraquecido por ter sido lançado na hora errada, e a música é muito hino evangélico pro meu gosto (minha favorita era Lost Stars), mas comoveu muito a plateia (tinha até gente falando línguas) e o discurso de agradecimento valeu muito à pena.



Piores Momentos:

1. A esnobada colossal em Boyhood, que só foi lembrado pela performance de Patricia Arquette, enquanto Whiplash e O Grande Hotel Budapeste saíram com 3 e 4 prêmios cada um, respectivamente. Um desses momentos que serão sempre lembrados como injustiças da Academia;

2. A canção do Lego Movie, aquela pataquada estridente Everything is Awesome, vulgo a coisa mais irritante da face da Terra. O momento vergonha alheia da noite. Até tentaram fazer um momento à la Happy, como no ano passado, mas não tem nem como comparar. Mas eu queria um Oscar de lego daquele que eles distribuíram na plateia;

3. O número de abertura de Neil Patrick Harris, Moving Pictures, foi ótimo (apesar de umas escorregadas aqui e ali na afinação), com todas as citações a filmes famosos e estrelas icônicas do cinema, Jack Black e Anna Kendrick participando também. Mas é a hora que Hollywood dá uma banana para o resto do mundo, porque é uma apresentação rápida e intraduzível, impossível para estrangeiros comentarem, e só países de língua inglesa aproveitam de fato o número. Depois ficam se gabando que o Oscar é o show mais assistido do mundo, com os direitos de transmissão vendidos pra um zilhão de países.



O que mais teve?

- Nicole Kidman, que deve ter molhado a chapinha na chuva ao entrar no tapete vermelho;

- Teve uma tábua de passar roupa com um vestido rosa em cima para desamassar;

- Tim McGraw, com muito chapéu pra pouca cabeça. E deve ter entrado em umas dessas novas dietas mirabolantes da moda;

- Neil Patrick, também resolveu mostrar o resultado da dieta, e usou citação a uma cena de Birdman como desculpa;

- Teve Margot Robbie, no palco com Miles Teller de Whiplash, que tenta, mas não consegue ficar tão linda sem a ajuda das equipes dos seus filmes e seriados, como em O Lobo de Wall Street e PanAm;

- Teve Jesus Cristo;

- Emma Stone, com seu Oscar de lego de consolação;

- Patricia Arquette, linda, humana, gente como a gente, com rugas, dentinho torto, de óculos, descabelada e batom cagado, fazendo discurso feminista;

- Meryl e J-Lo aplaudindo Patricia;

- Zoe Saldaña, que foi de esquálida Avatar à curvilínea Raquel Welch em um ano;

- Jessica Chastain, bem Jessica Rabbit;

- Jennifer Hudson, reciclando canção de Smash totalmente fora de contexto,  “encafonando” a homenagem aos falecidos, igual Bette Midler no ano passado;

- Jennifer Aniston, com fantasia de sereia da Versace, dizendo pra Academia que tá pouco se lixando pra ser indicada, depois de ser esnobada por Cake. Junto a ela, David Oyelowo, também esnobado por Selma;

- David Oyelowo chorando com Glory;

- Chris Pine também;

- Adele Dazim, ops! Idina Menzel;

- John Travolta também;

- Se ele pode ir de peruca pro Oscar, quando eu for convidado eu também irei. A minha fica mais natural;

- Scarlet Johansson, com colar estragando o visú;

- Lady Gaga, desejando a todas inimigas vida longa;

- Julie Andrews, no formol;

- Eddie Murphy, ZzZz...;

- Graham Moore, roteirista de O Jogo da Imitação, dando muita pinta;

- Eddie Redmayne, sendo bocó. Pior discurso;

- Julianne Moore, linda, nua, só adornada com umas flores pretas;

- Birdman, ganhando tudo.


Para ver os resultado completos, clique aqui.

Um comentário: