sábado, 25 de dezembro de 2010

Seção CINEMA // Meus 50 Momentos Musicais Favoritos de Hollywood! (Parte 5 - Final)

Parte 1Parte 2Parte 3Parte 4Bônus Parte 5 (final)



Parte 5
b
(Final)

b
10 - 1





10. You Should Be Dancing // Os Embalos de Sábado à Noite (Saturday -----Night Fever)

Essa é uma das musicas menos conhecidas da trilha sonora do filme (se é que isso existe), mas a cena é talvez a mais icônica do filme, junto com a dos créditos iniciais ao som de “Staying Alive”. Mas é aqui que John Travolta dança.




9. The Blower's Daughter // Closer - Perto Demais (Closer)

O filme me ganhou só por começar com essa cena. Todo o resto é tão ótimo quanto. Cate Blanchett (que eu amo) que me perdoe, mas esse Oscar era da Natalie. Ela diz tudo e não diz nada, só com suas expressões faciais. Assim como a própria em cena em si. Não tem nada (só pessoas andando, Jude e Natalie), mas tem tudo que a gente precisa.




8. Out Here On My Own // Fama (Fame)

Um dos vários momentos de vulnerabilidade de Fama, assim como The Way We Were e Is It Okay If I Call You Mine? Eu acredito que não houvesse uma cena em que essa música melancólica e introspectiva se encaixasse, mas acharam a saída perfeita para colocá-la no filme. E deu muito certo. Um desses momentos que não precisa de muito mais do que uma bela canção para encantar. Hit indicado ao Oscar, regravado depois por Nikka Costa e diversos outros, e até hoje é lembrado como obra musical, e como momento marcante do filme.




7. Summer Nights // Grease – Nos Tempos da Brilhantina (Grease)

Outra cena chave do filme. Quem não conhece? É também é a minha favorita. Apresenta os protagonistas, mostra suas falhas, seus aliados, conta a história e diverte. Tudo de uma vez só.




6. Moon River // Bonequinha de Luxo (Breakfast At Tiffany's)

Audrey é um desses ícones intocáveis. Acho que até com uma crise de flatulências ela era o supra sumo da elegância. Com sua voz grave e pequena nos encanta num momento de um dos filmes mais encantadores de todos os tempos, precursor das comédias românticas e exaustivamente copiado.




5. Footloose // Footloose - Ritmo Louco (Footloose)

O resto do filme podia até ser um completo lixo, mas eu já tava me mexendo todo até o final depois desses créditos iniciais. Uma aula de como colocar sua platéia completamente no clima após menos de 5 minutos.




4. Touch-A, Touch-A, Touch Me // Rocky Horror Picture Show

Rocky Horror é trash e propositalmente ‘mal-feito’, brinca com o caricato e o pastiche, que os números musicais mal coreografados, mal executados, mal interpretados, mal entoados e os “defeitos especiais” não passam de um charme a mais. Transgressor, subversivo e ousado, cutucava os pudores da sociedade, e só conseguiu ser o hit que merecia ser após ser exibido em sessões de cinema a meia-noite. São vários os ótimos momentos do filme, eu fiquei numa dúvida cruel entre Time Warp, Hot Patootie e Floor Show, mas a brejeirice de uma jovem Susan Sarandon cantando a insinuante Touch-A, Touch-A, Touch Me é, talvez, o meu momento favorito.




3. Singing in The Rain // Cantando na Chuva (Singing in The Rain)

Deve ser o musical mais cultuado de todos os tempos, e esse é o seu momento mais célebre e famoso, não só do filme, mas um dos mais memoráveis da história do cinema. A melodia é puro deleite para os ouvidos. Gene Kelly dança com a alma. Tudo é perfeito. E eu ainda adoro chuva e dias nublados. Não tem como não amar.




2. Tiny Dancer // Quase Famosos (Almost Famous)

Cameron Crowe contou sua vida, reviveu uma época, relembrou hinos do rock do passado e os apresentou a jovens que vinham de década de 90 repleta de boy e girl bands vazias. Fez de Tiny Dancer um hit novamente depois de quase 30 anos e criou um desses momentos inesquecíveis do cinema que a gente jamais pode ouvir a música de novo e não se lembrar dela.




1. Let the Sunshine in // Hair

O refrão de uma única frase repetida exaustivamente no fim de uma música é uma técnica arriscada e funciona em pouquíssimos casos, como em Hey Jude dos Beatles, e em Let the Sunshine In de Hair. É aquela cena que arrepia da cabeça aos pés, e não deve existir alguém nesse planeta que não queira cantar a musica após ouvi-la. É um desses hinos que devem ser perpetuados, não só pela música em si, mas pela mensagem que representa (mas, infelizmente, a lição não foi aprendida), e que tanto nos palcos quanto nas telas de cinema, e hoje das TVs, continua a emocionar pessoas de geração à geração.



E aqui se encerra a minha lista. Espero que vocês tenham gostado. Comentários são sempre bem vindos!



Parte 1Parte 2Parte 3Parte 4Bônus Parte 5 (final)

2 comentários:

  1. Adorei. Mas poderia ter colocado alguma cena do "All that jazz" tambem do Bob Fosse, como essa:

    http://www.youtube.com/watch?v=9UN68ujZdTE

    É o climax do filme! Amooooo essa cena.

    ResponderExcluir
  2. Só muito fã de All that jazz não. me parece uma cópia fraca de Cabaré e Chicago da Broadway.

    ResponderExcluir