sábado, 20 de fevereiro de 2010

Seção CINEMA // Crítica Ilha do Medo

A Hora do Pesadelo

Ilha do Medo // Shutter Island

Nota: 10


Eu mal podia esperar pra ver esse filme. Só não fui à sessão de quinta-feira à meia-noite porque eu tinha academia de manhã cedo. Então fui sexta na sessão de 1 da tarde mesmo. E acho que só tenho mais expectativas pra ver Alice do que esse filme. O que de certa forma não é bom sinal. Quando a gente espera demais de algo, só há um caminho depois disso. Mas desse filme eu fiz questão de não saber quase nada a respeito, além de ser o mais novo filme do Scorsese, ter o Leonardo DiCaprio, entre outras estrelas e se passar num hospício. Alice é aquela velha história que todo mundo sabe de cor e salteado.

E por onde começar a falar desse? Difícil... Qualquer coisa que se falar a respeito vira spoiler. Vou só falar o básico: Leonardo DiCaprio é um investigador encarregado de cobrir o desaparecimento de uma paciente de um hospital psiquiátrico para criminosos que fica em uma ilha próxima a Boston. No barco ele conhece seu novo parceiro, feito pelo Mark Ruffalo. Lá, eles recebem pouca ou nenhuma cooperação dos médicos responsáveis pela instituição, feitos pelos sempre ótimos bem Kingsley e Max von Sydow, o que desperta nele muitas desconfianças sobre o que realmente acontece por lá.

As interpretações são todas ótimas, e o elenco é muito competente. Além dos já citados Leo, Ruffalo, Kingsley (Gandhi, Casa de Areia e Névoa) e Sydow (Pele – O Conquistador, O Exorcista), ainda temos a Michelle Williams, que era minha favorita de Dawson’s Creek (junto com o Joshua Jackson), e ex do finado Heath Ledger, Jackie Earle Haley, de Pecados Íntimos, numa aparição breve, porém marcante, Emily Mortimer, de Match Point e Querido Frankie, filmes que adoro, e a Patrícia Clarkson, sempre ótima também.

Scorsese foi perfeito ao criar o clima de suspense que o filme precisava. Desde a música, marcada principalmente pela “Sinfonia no. 3” de Krzysztof Penderecki (que também tem músicas na trilha de O Iluminado) e “Root Of An Unfocus” de Boris Berman, até a montagem, sempre responsabilidade da Thelma Schoonmaker. Além disso, Scorsese é um famoso adorador do cinema, antes mesmo de ser cineasta, e nesse filme as influências de outros cineastas são bem claras, como o clima de paranóia de "Um Corpo que Cai" de Hitchcock, por exemplo.

Ele consegue manter o mistério e o entrelaçado de segredos interessantes o tempo inteiro, claro que com a ajuda do roteiro de Laeta Kalogridis, que não fez nada que me interessasse antes, e Steven Knight, do ótimo Senhores do Crime, baseado no livro homônimo de Dennis Lehane. E as cenas de flashback, ou os sonhos de DiCaprio nos confundem ainda mais na história, mas ao fim tudo se explica.

Esse já é o quarto filme da parceria entre Scorsese e DiCaprio, que começou com Gangues de Nova York e O Aviador, que são chatinhos, e seguiu-se com o excelente Os Infiltrados. Recentemente Scorsese afirmou à revista New York que o diferencial de Leo é seu rosto extraordinariamente cinematográfico. “Ele poderia ter sido um grande ator do cinema mudo porque tanta coisa acontece nos seus olhos, pode-se ler tanta coisa em seu rosto.” Eu não só concordo como já gostava do trabalho dele desde antes mesmo da histeria coletiva por Titanic e Romeu + Julieta. Scorsese assumiu o projeto depois que David Fincher desistiu (ele ia ser estrelado por Brad Pitt e Mark Wahlberg), e passou quatro meses filmando em um hospital abandonado.

Esse filme estava programado pra estrear ano passado, em outubro, pra ter chances de concorrer a prêmios no início desse ano, mas foi adiado. Pode ter sido boa decisão, porque Leo certamente ia perder pro Jeff Bridges (assim como acontece com o Colin Firth agora), e o filme provavelmente ia ser só mais um na lista de 10, ofuscado no meio da névoa da disputa particular do ex-casal Bigelow-Cameron, e rejeitado na opinião pública (que quase nunca é boa, vide os big brothers da vida ou até mesmo as eleições) por Avatar. O Oscar desse ano nem aconteceu ainda, então vamos ver se o filme tem fôlego pra ser lembrado daqui a um ano, ou se só coisas como Guerra ao Terror e Crash conseguem se sustentar no tempo.

7 comentários:

  1. eu nem estava animada para ver o filme, admito. mas, depois de ler sua crítica, pirei aqui. elenco com vários de meus favoritos no cinema (eu achei q o De niro tava nesse filme... lesa). Max Von Sydow deve estar bem velhinho, não? Amo demais. Tb sou fã da Patricia e da Michelle (íntchimas, ahah). Mark Rufallo é para agradar as que preferem os morenos, como eu? ;) Se for, o diretorzão acertou.
    beijos, minks...

    ResponderExcluir
  2. ESQUECEU " O AVIADOR ",FILME DE SCORCESE COM DI CAPRIO

    ResponderExcluir
  3. Vai chover... vc dando 10 pra um filme? Ainda mais do Scorsesse que vc nem gosta tanto assim. Esse ai ja ta na minha listinha de downloads!
    Bjos.

    ResponderExcluir
  4. Esqueci mesmo, mas já corrigi.

    Asnalfa, quando eu disse que não gostava do Scorsese? Acho que só falei dele no blog na época do Oscar, por Os Infiltrados... E eu já dei 10 antes...

    ResponderExcluir
  5. Eu achei o filme horrivel!!! Previsivel e muito, muito chato...

    Sem contar a trilha sonora que é porca, na boa vitoca, que filme cabuloso da porra!

    ResponderExcluir
  6. Ah Maurio! Não dá pra agradar todo mundo. Eu me senti voltando no tempo e vendo filme noir nos anos 40.

    A trilha sonora é o que dá o clima do filme. Achei sublime. Eu até senti qual era o final do filme também. É meio previsível sim, mas é um tema que eu acho muito mais interessante do que serial killers fantasiados. Muita gente reclama do roteiro desencrontado. Mas o que esperar da cabeça de um louco?

    ResponderExcluir
  7. Filme incrível! Fez lembrar um pouco os noir antigos, sim!

    A minha crítica: http://cineroad.blogspot.pt/2010/10/shutter-island-2010.html

    Abraço,
    Roberto Simões
    CINEROAD

    ResponderExcluir