terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Seção CINEMA // Crítica O Leitor

O Contador de Histórias

O Leitor // The Reader


Nota: 9,0


Filme de Guerra (principalmente Vietnã e Segunda Guerra) e holocausto já me deram nos nervos. Como uma boa parte da comunidade cinematográfica é Judia, e financia os projetos, o tema é uma constante fértil. É para que a humanidade não se esqueça de como eles sofreram. Eles adoram posar de vítimas, mas vítimas eles já deixaram de ser há tempos. Só dar uma olhada nos conflitos por lá. E como se só eles houvessem sofrido. Esquecem que existe a África, América latina, Índia, China, etc. Povos que foram massacrados e até hoje sofrem as conseqüências desses abusos.

Tudo isso pra mostrar que eu já tinha certo preconceito em relação a esse filme, mas três nomes me fizeram vê-lo: Anthony Minghella, que faleceu recentemente, é um dos produtores do filme. Ele ganhou o Oscar por O Paciente Inglês, e fez também O Talentoso Ripley e Cold Mountain, dois filmes que adoro; Stephen Daldry, o diretor inglês que fez apenas dois filmes antes, As Horas e Billy Elliot. Adoro ambos; e Kate Winslet, uma das minhas atrizes hollywoodianas favoritas.

O filme se passa na Alemanha, e fala sobre um adolescente que se envolve com uma mulher mais velha, solitária e enigmática. Após um tempo ela misteriosamente some, sem deixar vestígios, e ele perde as esperanças de vê-la novamente Após vários anos, quando ele já está na faculdade, ele inusitadamente a reencontra e faz descobertas atordoantes sobre seu passado.

Acho que o que mais me fez gostar do filme, é que o holocausto é apenas um pano de fundo para o romance. Em nenhum momento o tema é aprofundado, nem ninguém é vilanizado na história, o que raramente acontece. Certamente não há nenhum americano para ser o herói, muito menos. A única coisa que realmente me incomodou é que o filme é falado em inglês, mas se passa na Alemanha, com todos os personagens sendo alemães. Algo parecido com O Último Imperador, de Bertolucci nos anos 80. Cabaré era parecido, mas os personagens centrais do filme eram americanos e ingleses, então era natural que falassem inglês.

David Kross, que faz o jovem Michael, é um ator alemão de 18 anos. Ele teve que decorar de fato a maior parte de suas falas em inglês para poder atuar no filme, já que seu conhecimento da língua era básico. Além das cenas de sexo e nudez. Os europeus certamente não viram nenhum empecilho, mas se ele fosse americano, jamais teria feito tal filme. Uma nota curiosa é que o papel da Kate era de Nicole Kidman, que não pode filmar devido à gravidez. Algo semelhante já aconteceu antes. Kate Winslet deveria ter protagonizado Moulin Rouge, mas acabou sendo substituída por Nicole.

O filme recebeu 5 indicações ao Oscar, um número esperado. O mais interessante é que a Kate que foi já levou diversos prêmios como coadjuvante pelo filme, dessa vez foi indicada como protagonista. Eu não sei ao certo como isso vai afetar suas chances de vencer, já que se fosse indicada a coadjuvante, provavelmente teria levado. E o papel dela, ao meu ver, pode ser interpretado como principal ou coadjuvante. O principal de fato, e base dos conflitos do filmes, é o rapaz, feito pelo David Kross, que depois cresce e vira Ralph Fiennes. Só sei que isso a impediu de concorrer duas vezes como era esperado. Em Foi Apenas Um Sonho ela está igualmente ótima.

domingo, 25 de janeiro de 2009

Seção CINEMA // Crítica Dúvida

Arrependei-vos e crede no evangelho

Dúvida // Doubt


Nota: 9,5


Dúvida é a adaptação de uma peça teatral homônima para as telas de cinema, e vem sendo destaque em quase todas as premiações. Principalmente quando se trata do elenco. E ele é magnífico. Esplendoroso. O trio principal é feito por Philip Seymour Hofman, Meryl Streep e Amy Adams, como um padre e duas freiras. O filme é dirigido por John Patrick Shanley, que também dirigiu e escreveu a peça teatral. Como ator de teatro tem a fama de um artista de rua, a produtora se livrou deles e contratou os famosos. Se a escolha foi melhor, fica a dúvida, mas o elenco escolhido foi realmente o ponto alto do filme, que tem nos diálogos o seu grande trunfo.


A história começa o padre Flynn (Hofman) fazendo um sermão sobre dúvida. Intrigada, a madre superiora do colégio (Meryl) pede às demais freiras que fiquem de olho nele. A jovem e inocente Irmã James (Adams) nota um comportamento estranho em um dos alunos, Donald Miller, o único negro do colégio, que é coroinha e muito próximo ao padre, e relata tudo a sua superiora. Ela liga diversos fatos e conclui que o padre vem abusando o menino.

Como eu já disse o elenco é perfeito. Soma-se ao trio Viola Davis, como a mãe do menino. Sua participação no filme é rápida, mas é muito marcante. Eu também não vou mentir que fiquei morrendo de nojo dela em cena, porque eu não sabia se o que ela tanto engolia era lágrima ou secreção nasal... Eca... Mas tirando isso, sua interpretação é brilhante. Tanto que lhe valeu uma indicação ao Oscar. Aliás, os quatro receberam merecidas indicações.

Meryl a gente nem precisa comentar. Essa é sua 15ª indicação. Um recorde. Venceu duas, coadjuvante por Kramer VS. Kramer em 1980, e protagonista por A Escolha de Sofia em 1982. Um tempão já. Ela está perfeita como uma freira extremamente conservadora e dura. O filme discute abertamente autoridade e moralidade. São discussões interessantes. Cada personagem tem seu ponto de vista, mas o que cada um está disposto a fazer para provar o seu?

Um momento interessante é uma analogia que o padre relata em seu sermão. É uma metáfora entre fofoca e um travesseiro. Nunca tinha pensado por esse lado. Vendo o filme vocês entenderão. Sinceramente, o filme fala tanto de dúvidas, que até eu me enrolei. Vou até ver de novo pra ver se o que eu entendi é realmente o que eu entendi pra poder acabar com a minha dúvida.

sábado, 24 de janeiro de 2009

Seção CINEMA // Crítica Gran Torino

Gran Tollette

Gran Torino


Nota: 3,0


Foi com muita alegria e satisfação que eu conferi a nova obra-prima de Clint Eastwood. Depois de ver Sobre Meninos e Lobos e Menina de Ouro, eu jurei por todos os santos que não veria mais nada vindo dele. Como eu não valho uma cocada azeda em fim de feira, vi A Troca. Que os orixás tenham compaixão da minha alma, mas eu gostei... Embalado, fui ver Gran Torino. Alegria de pobre dura pouquíssimo...

Querem saber sobre a história, né? Eu conto: um ser abominável (veterano da guerra da Coréia, republicano, moralista, machista, racista, xenófobo, rabugento e mal-humorado) fica viúvo. Deve ter matado a infeliz de desgosto... Ele não se dá bem com os dois filhos. Como filho de peixe, peixinho é, são duas víboras. Dois oportunistas. Aí ele vive sozinho, já que não tem alma na face da Terra que queira esse desafeto por perto. Ele mora na sua antiga casa no subúrbio, que já virou um bairro de imigrantes vietnamitas. Evidentemente, ele não se dá bem com a vizinhança, que não gosta dele. Também não há nada pra se gostar... E ele resiste em se mudar de lá.

Um belo dia, ele muito bem-humorado, serelepe e faceiro, pega sua espingarda pra espantar os vizinhos que pisaram em cima da sua grama. Só que na verdade ele acabou com uma ação de uma gangue e se não já bastasse ser herói aclamado e idolatrado de guerra (ô nojo...), ele ainda vira um herói da vizinhança. O Clint gosta de viver heróis no cinema. Acho que infla o ego dele, porque provavelmente é assim que ele se sente e tenta projetar isso nos filmes. Besta é quem acredita...

Lá pelas tantas ele acaba se envolvendo com o rapaz vizinho, um tal de Thao, e acaba criando uma empatia com ele. Até ensina o rapaz a ser grosseiro e desprezível igual a ele. Só que a família é constantemente atormentada pela tal gangue, e enfim chega o momento que todos nós estávamos esperando: lá vai o nosso super-herói (americano, como não podia deixar de ser) salvar o mundo das forças do mal mais uma vez!!! Que emoção!!!


O Clint é um moralista de carteirinha e eu me espanto como ele demonstra isso nos filmes. Ele é o típico herói de velho oeste, indestrutível e incasável. Ele, velho doente e escarrando sangue, enfrenta gangues sozinho. A ferro e fogo! E ainda leva a melhor. Isso é que eu chamo de ser seguro de si. É até mais patético que Rambo, porque o Stallone pelo menos não tem cabelos brancos aparentes nem manca ainda. Sempre carrega consigo a bandeira da moral e dos bons costumes, dos valores de família, da honra e o amor pela pátria, a Terra da liberdade. Batendo tudo isso no liquidificador com um pouquinho de fermento, assando no forno e a gente tem aí a receita perfeita para um delicioso bolo de hipocrisia. Até dá para decorar com glacê pra ficar mais bonitinho.

Seus filmes normalmente são uma colagem sucessiva de clichês. Esse não é diferente. E no final ele ainda dá uma de Jesus Cristo. Só pra ter noção, em um determinado ponto do filme, tem um diálogo entre ele e a vizinha vietnamita. Ela fala que é bom tê-lo como um exemplo para o irmão (???!), reclamando que o pai deles é tradicional e fechado. O Clint replica: mas eu também sou. A infame responde: mas você é americano! Fiquei com ódio e desliguei a porcaria pra passar a raiva. Só consegui ver o restante no dia seguinte. Vá pastar meu amigo! Ainda bem que pelo menos no Oscar ele foi solenemente ignorado.

Claro que o filme é todo dramático, tem um ritmo bom, a história flui e vai rumo ao final lacrimejante. Se você conseguir passar batido por essas mensagens, vai gostar, mas se conseguir ler esses absurdos nas entrelinhas, vai ver o tamanho do lixo que essa bomba realmente é. Esse é anunciado como seu último filme como ator. Sinceramente, se é por falta de adeus...

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Seção CINEMA // Indicados ao Oscar


Hoje saíram as indicações ao Oscar, tornando Benjamin Button e Forrest Gump ainda mais parecidos. Até o número de indicações foi o mesmo! E praticamente nas mesmas categorias. Aí vai uma lista do top 10 do ano segundo a Academia:

• O Curioso Caso de Benjamin Button - 13 indicações
• Quem Quer Ser Um Milionário - 10 indicações
• Batman - O Cavaleiro das Trevas - 8 indicações
• Milk - A Voz da Igualdade - 8 indicações
• Wall-E - 6 indicações
• Dúvida - 5 indicações
• Frost Nixon - 5 indicações
• O Leitor - 5 indicações
• Apenas Um Sonho - 3 indicações
• A Troca - 3 indicações

Alguns indicados comentados:

Melhor Filme
O Curioso Caso de Benjamin Button
Frost Nixon
Milk - A Voz da Igualdade
O Leitor
Quem Quer Ser Um Milionário?

Esperados todos eles (fotos ao lado, clique para ampliar). Senti falta de Apenas Um Sonho na lista. Wall-E e Batman também mereciam. Slumdog é o favorito, e tem levado muitos prêmios, por razões não muito claras para mim. Torço por Benjamin ou Milk.


Melhor Diretor
Danny Boyle (Quem Quer Ser Um Milionário?)
Stephen Daldry (The Reader)
David Fincher (O Curioso Caso de Benjamin Button)
Ron Howard (Frost Nixon)
Gus Van Sant (Milk - A Voz da Igualdade)

Os cinco indicados a melhor filme conseguiram indicações para seus diretores. Não é muito freqüente. Até agora, o favorito é o Danny Boyle.


Melhor Ator
Richard Jenkins (The Visitor)
Frank Langella (Frost Nixon)
Sean Penn (Milk)
Brad Pitt (O Curioso Caso de Benjamin Button)
Mickey Rourke (O Lutador)

Gostei de ver o Richard Jenkins (foto em baixo) indicado. Gostei muito do filme. Tocante.Acho que essa categoria pode surpreender. A última vez que deu um "azarão" foi com o Adrien Brody, em 2003, quando todos os indicados eram bons. Os votos se dividiram e ele levou. Acho que esse ano o quadro é parecido. Tudo vai depender do resultado do SAG. Mas até agora tá entre Sean Penn (foto em cima) e Mickey Rourke. Senti falta do Leonardo DiCaprio. Trocaria o Frank por ele.


Melhor Atriz
Anne Hathaway (O Casamento de Rachel)
Angelina Jolie (A Troca)
Melissa Leo (Rio Congelado)
Meryl Streep (Dúvida)
Kate Winslet (O Leitor)

Kate já ganhou alguns prêmios por esse filme. Mas todos como coadjuvante... Como será que ela se sai indicada a protagonista? Difícil prever. Anne era a favorita aos prêmios até o Globo de Ouro. Até Kate ganhar. Por Apenas Um Sonho, que não foi indicado. Meryl venceu pela última vez há 27 anos, e quase todo ano é indicada. Será que a Academia vai achar que dessa vez ela merece levar? Ela é a típica atriz que vai levar seu terceiro, e quem sabe quarto prêmio... Correndo por fora, Angelina e Melissa Leo, que nem foi indicada ao Globo. Além de Kate, Sally Hawkins por Simplesmente Feliz também foi ignorada.


Melhor Ator Coadjuvante
Josh Brolin (Milk - A Voz da Igualdade)
Robert Downey Jr. (Trovão Tropical)
Philip Seymour Hoffman (Dúvida)
Heath Ledger (Batman - O Cavaleiro das Trevas)
Michael Shannon (Foi Apenas Um Sonho)

Essa categoria já tem dono merecidamente desde janeiro do ano passado. Gostei de ver o Michael (foto em baixo) ser indicado. Ele realmente roubas as cenas em Apenas Um Sonho. E eu torcia pelo Emile Hirsch (foto ao lado) ser indicado. Gosto mais dele do que do Josh em Milk. James Franco também era um dos possíveis indicados.



Melhor Atriz Coadjuvante
Amy Adams (Dúvida)
Penélope Cruz (Vicky Cristina Barcelona)
Viola Davis (Dúvida)
Taraji P. Henson (O Curioso Caso de Benjamin Button)
Marisa Tomei (O Lutador)

Já que Kate foi deslocada de categoria, aqui eu sou Taraji desde criancinha... Mas a Penélope tá com tudo pra levar. Se não for dessa vez, não será mais nunca! Torci por ela em Volver, mas dessa vez eu tenho outras preferências. Marisa tá bem também, mas ela já levou um há uns 15 anos atrás, que consideram injusto até hoje. Não creio que ela vá levar dessa vez. Ainda vou ver Dúvida pra comentar melhor.


Melhor Roteiro Original
Wall-E, de Andrew Stanton e Pete Docter
Milk - A Voz da Igualdade, de Dustin Lance Black
Na Mira do Chefe, de Martin McDonagh
Rio Congelado, de Courtney Hunt
Simplesmente Feliz, de Mike Leigh

Parece que Milk caminha fácil nessa categoria. Mas Wall-E é sempre perigo. Eu fico na dúvida. Mas acho que votaria em Milk mesmo.

Melhor Roteiro Adaptado
O Curioso Caso de Benjamin Button, de Eric Roth e Robin Swicord
Dúvida, de John Patrick Shanley
Frost Nixon, de Peter Morgan
O Leitor, de David Hare
Quem Quer Ser Um Milionário?, de Simon Beaufoy

4 dos 5 indicados a melhor filme aqui. Slumdog parece ser o favorito. Mas eu votaria em Benjamin Button.

Melhor Animação
Bolt - Supercão
Kung Fu Panda
Wall-E

Wall-E, que ganhou o prêmio de Melhor Filme dos Críticos de Los Angeles, aqui, vai ter que se contentar só com o de Melhor Animação. Nenhum dos outros ameaça.


Melhor Canção
Down To Earth, de Wall-E
Jai Ho, de Quem Quer Ser Um Milionário?
O Saya, de Quem Quer Ser Um Milionário?

Essa é uma categoria que outrora já foi uma das minhas favoritas. Mas nessa década, a coisa ficou punk. Deveria ser abolida. Eles às vezes indicam 5, outras indicam 3. Nunca com uma razão aparente. Ano passado foram 5, sendo 3 de um filme só! Esse ano são apenas 3, sendo 2 de Slumdog. A outra é do Peter Gabriel, que eu estarei na torcida. Principalmente nos anos 80 e 90, as indicadas eram sempre topo das paradas e cantadas por grandes artistas. Eu que vi a lista das canções inscritas e possíveis indicadas fico revoltado vendo esse resultado. Já que o Oscar sofre de queda de audiência, indicar grandes artistas para cantar ao vivo seria uma forma de chamar público. Mas pra quê Mariah Carey, Norah Jones, Bruce Springsteen e Miley Cyrus se a gente pode ter um show indiano com a hedionda Jai-Ho? Vai todo mundo mudar de canal...


Para ver os demais indicados, visite o site oficial: www.oscars.com

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Seção CINEMA // Crítica O Lutador

Amargo Regresso

O Lutador // The Wrestler

Nota: 8,0

Bom, vi esse filme mais embalado pela vitória do Mickey Rourke no Globo de Ouro. O tema de fato não me interessa nem um pouco. Não sou fã de lutas, e acho o vale tudo de uma selvageria e ignorância ímpares. Um verdadeiro retrocesso. Darren Aronofsky é um bom diretor, mas não consegui ver inteiro o último filme dele, Fonte da Vida, de tão chato e confuso que é. Um filme dele que gosto muito é Réquiem por Um Sonho de 2000, com Ellen Burstyn, Jared Leto e Jennifer Connelly no elenco. A história sobre vícios é densa, envolvente e nos faz pensar. Eles fez outro bem famoso e controverso, PI, que eu ainda não vi.

No filme, Mickey Rourke faz um lutador de vale tudo em decadência. Já na meia-idade, ele é solitário e falido financeiramente. Se apaixona por uma stripper (Marisa Tomei), que se recusa a se relacionar com ele, por ele ser um cliente, e tem uma filha (Evan Rachel Wood) que o despreza por ele a ter abandonado. Quando sofre um ataque cardíaco, ele se vê obrigado a largar a última coisa que lhe motiva a viver, o vale tudo.

Bem, a história é comovente, mas pra mim é difícil de me tocar. O mundo do vale tudo não me é atraente de forma alguma. Como não podia deixar de ser, há cenas de luta durante o filme, e eu odiei todas, principalmente a segunda, que é mais hardcore. O cara é carismático, simpático, conquista o público desde o início, apesar do aspecto asqueroso. Ele cometeu muitos erros na vida e paga caro por eles. E é nisso que o filme se foca. A que se apegar na vida quando não há nada nela?

Bom, o filme marca a volta do Mickey Rourke, que foi um ator de sucesso nos anos 80, foi símbolo sexual principalmente pela sua figura de bad boy e pelo filme 9 e ½ Semanas de Amor. Depois ele fez uns filmes menores, rejeitou boas oportunidades e acabou largando a carreira pra se dedicar a outra paixão: lutar boxe. Não precisa nem dizer que foi a sua ruína... Não teve êxito, se afundou nas drogas, fraturou o rosto diversas vezes, fez muitas plásticas, acarretando nessa figura disforme e incômoda de se ver na tela. E caracterizado de lutador, então, virou praticamente Mun-Rá. Depois de perder praticamente tudo, acabou voltando às telas. Fez alguns filmes passando meio que despercebido, até aparecer Sin City, que foi um sucesso, mas esse aqui é o que realmente marca sua volta, que segundo Rubens Ewald Filho, ninguém queria de volta. Deveria ter permanecido a bela lembrança do que foi outrora.

Foi premiado com o Globo de Ouro, e eu sinceramente não concordei com a escolha. Apesar de ser um grande trabalho, não o achei superior aos demais concorrentes, e ele interpreta praticamente a si mesmo. A história é parecida. Ele até dá um discurso próximo ao fim do filme que parece que é ele mesmo quem está falando. Esse eu acredito que foi o maior momento do filme, e com certeza o que deve mais comover durante a projeção. Ele agora é por enquanto o favorito ao Oscar. As coisas talvez mudem com os resultados do SAG, que são a maior parte dos votantes da Academia.

Seção CINEMA // Globo de Ouro

Como não tenho TV a cabo em casa, só pude ver o Globo de Ouro tardiamente. Adoro as premiações, que muitos acham tediosas e chatas. Passo 4 horas me deliciando com os momentos. A não ser que sejam momentos indigestos, como Roberto Benigni, Crash, etc. O mais interessante é ver como os artistas normalmente são menos interessantes fisicamente sem a produção dos filmes. Renée Zellweger que o diga... Há alguns posts atrás eu analisei a carreira Kate Winslet nas premiações, e fiquei feliz demais de vê-la sendo finalmente reconhecida! A vencedora da noite. Ofuscou até a produção anglo-indiana. E mais uma vez meu favorito sai de mãos vazias.


Vamos aos prêmios:

Melhor Filme Drama
Slumdog Millionaire

Indicados:
O Curioso Caso de Benjamin Button, Frost Nixon, Apenas Um Sonho, O Leitor.

Aí tem... Apesar deu eu adorar Danny Boyle, o filme ser legal, não é nem de longe o tipo de filme que ganha premiações. Principalmente um filme com elenco totalmente indiano. Aí tem mesmo! Muito estranha toda essa jogação de confeti. Conversando com ela, a gente meio que concluiu que deve ser tipo uma fusão milionária entre uma produtora americana e alguma coisa relacionada a Bollywood, que sabemos que extremamente popular na Ásia, e até produz mais filmes que Holywood anualmente... Enfim! Só suposições, teorias da conspiração...


Melhor Ator Drama
Mickey Rourke (O Lutador)

Indicados: Brad Pitt (O Curioso Caso de Benjamin Button), Sean Penn (Milk), Frank Langella (Frost Nixon), Leonardo DiCaprio (Apenas Um Sonho).

Minha Nossa Senhora da Bicicleta, dai-me equilíbrio! O que aconteceu com aquele homem que protagonizou 9 e ½ Semanas de Amor? A gente sabe a resposta né... Uma mistura de álcool, drogas, boxe e plásticas mal sucedidas. Virou uma espécie de "motoqueiro from hell" (cliquem na imagem para ampliar). Kim Basinger não passaria nem 9 e ½ minutos com ele agora... Ele fez um bom trabalho no filme, mas não é superior a nenhum dos outros. Acho que foi mais pelo motivo que o Rubens Ewald Filho afirmou na transmissão: O filme marca a volta dele a indústria. Mas ninguém queria ele de volta... Ainda mais deformado desse jeito.


Melhor Atriz Drama
Kate Winslet (Apenas Um Sonho)

Indicadas:
Anne Hathaway (O Casamento de Rachel), Angelina Jolie (A Troca), Meryl Streep (Dúvida), Kristin Scott Thomas (I’ve Loved You For So Long).

Ela parecia estar tendo uma síncope nervosa no momento, mas foi merecido. Como eu disse no post sobre o filme, ela tem os melhores momentos do filme, e realmente brilha. Só conferi o desempenho dela e de Angelina, mas Anne era a favorita e eu gosto dela como atriz. Kate está na indústria há séculos e foi indicada várias vezes e esse foi o seu momento.


Melhor Filme Comédia
Vicky Cristina Barcelona

Indicados:
Queime Depois de Ler, Simplesmente Feliz, Na Mira do Chefe, Mamma Mia!.

Não vou mentir que tava torcendo por Queime Depois de Ler... Apesar de ter gostado Vicky, Woody Allen já fez muita coisa melhor. A cena do filme que mostraram na cerimônia é um show de má interpretação. Também acho Na Mira do Chefe melhor, mesmo não vendo muita comédia nele. O prêmio foi entregue pelo Sacha Baron Cohen. Como eu o acho sem graça! Acho o humor dele de quinta. De último nível. Não acrescenta nada. Borat é de muito mau gosto...


Melhor Ator Comédia
Colin Farrell (Na Mira do Chefe)

Indicados:
Brendan Gleeson (Na Mira do Chefe), Javier Bardem (Vicky Cristina Barcelona), James Franco (Segurando as Pontas), Dustin Hoffmann (Last Chance Harvey).

Colin é um bom ator. Apesar de fazer mais blockbusters, ele faz filmes bons como Casa no Fim do Mundo e O Sonho de Cassandra, que ele dá show. Acho que até melhor do que nesse. Ele é alma do filme e mereceu o reconhecimento.


Melhor Atriz Comédia
Sally Hawkins (Simplesmente Feliz)

Indicadas: Emma Thompson (Last Chance Harvey), Rebecca Hall (Vicky Cristina Barcelona), Meryl Streep (Mamma Mia!), Frances McDormand (Queime Depois de Ler).

Sally pareceu uma das mais emocionadas da noite ao vencer. Ela brilha no filme (meio entediante, enfadonho) fazendo um papel difícil, que acho que 95% dos atores iriam cair no clichê e fazê-lo cheio de tiques e caretas. Das indicadas, vi também Rebecca, e achei um papel um saco, uma chata, Meryl, e detestei o filme, mas ela está sempre bem dentro da proposta, e Frances, que está maravilhosa em Queime, e nunca ganhou um Globo de Ouro. No ano que ela ganhou o Oscar, ela perdeu o Globo para Madonna em Evita (que deveria ter ganhado o Oscar também).


Melhor Ator Coadjuvante
Heath Ledger (Batman – O Cavaleiro Negro)

Indicados:
Tom Cruise e Robert Downey Jr. (Trovão Tropical), Ralph Fiennes (A Duquesa), Philip Seymour Hoffman (Dúvida).

Heath vai ganhar todos os prêmios. E merecidamente. Fazer um papel já feito por Jack Nicholson, que virou um ícone e dar uma reviravolta nele é um trabalho louvável. Não vi nenhum dos outros indicados (shame on me)...


Melhor Atriz Coadjuvante
Kate Winslet (O Leitor)

Indicadas:
Penélope Cruz (Vicky Cristina Barcelona), Amy Adams e Viola Davis (Dúvida), Marisa Tomei (O Lutador).

Não vi o filme da Kate ainda, mas ela está sempre ótima. Penélope era a favorita, mas já perdeu dois prêmios para Kate e agora já perdeu o favoritismo. De fato, já a vi melhor. Ela sobreatua o tempo inteiro. Muito exagerada. O filme diz que ela é uma mulher sensual e fascinante, mas ela é só uma louca escandalosa em tempo integral. Faltou algo nela. Não vi dúvida ainda, e Marisa está bem em O Lutador. Deve ser um papel muito desconfortável de se fazer. Ela fica nua praticamente o filme inteiro.


Demais prêmios para cinema:

Melhor Diretor
Danny Boyle (Slumdog Millionaire)

Indicados: Stephen Daldry (O Leitor), Ron Howard (Frost Nixon), David Fincher (O Curioso Caso de Benjamin Button), Sam Mendes (Apenas Um Sonho).


Melhor Roteiro

Simon Beaufoy (Slumdog Millionaire)

Indicados: O Leitor, Frost Nixon, O Curioso Caso de Benjamin Button, Dúvida.


Melhor Canção Original
Bruce Springsteen, por The Wrestler (O Lutador)

Indicados: Once in a Lifetime (Cadillac Records), I Thought I Lost You (Bolt), Down To Earth (Wall-E), Gran Torino (Gran Torino).


Melhor Trilha Sonora
A.R. Rahm (Slumdog Millionaire)

Indicados: Hans Zimmer (Frost Nixon), Alexandre Desplat (O Curioso Caso de Benjamin Button), James Newton Howard (Defiance), Clint Eastwood (A Troca).


Melhor Filme Estrangeiro
Valsa com Bashir (Israel)

Indicados: Gomorra (Itália), Everlasting Moments (Suécia, Dinamarca), I've Loved You So Long (França), The Baader Meinhof Complex (Alemanha).


Melhor Animação
Wall-E

Indicados: Bolt, Kung Fu Panda.

A imagem do ano!

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Seção CINEMA // Crítica Quem Quer Ser Um Milionário?

Lua de Cristal

Quem Quer Ser Um Milionário? // Slumdog Millionaire


Nota: 8,5


Eu sempre gostei do trabalho do diretor Danny Boyle. Ele fez filmes que adoro, como Extermínio, Trainspotting e Por Uma Vida Menos Ordinária. A Praia é uma idéia interessante, só que mal aproveitada. Cova Rasa eu morro de curiosidade de ver. Dessa vez, ele dirige uma adaptação do famoso livro indiano Q and A publicado em diversas línguas, que narra uma história real, de um jovem garçom pobre que vira o maior ganhador de quiz shows da história e depois foi preso acusado por fraude. No filme, adaptaram a história e mudaram as personagens.


Como o próprio nome do filme já diz, o tema é sobre um favelado (um slumdog) milionário. Ele é feito pelo ator Dev Patel, que eu já conhecia do seriado Skins, que eu adorava (onde ele fazia o muçulmano Anwar), mas era quem eu menos gostava na série... Agora a série mudou o elenco totalmente, igual Malhação, e eu desisti de acompanhar porque me identificava com os anteriores. Talvez a mudança faça sentido, porque o seriado é sobre adolescentes rebeldes, e os outros adolescentes já cresceram! Enfim, já mudei de assunto...


Dev Patel faz o Jamal, um indiano de Mumbai (Bombaim) que consegue participar do programa de TV Who Wants To Be A Millionaire? E acerta todas as perguntas, ganhando uma bolada. Mas ele é preso pela polícia acusado de fraude, já que como um favelado que nunca teve uma educação adequada poderia saber as respostas? O filme intercala a sua narrativa de como ele sabia as respostas com o programa de TV em si, e a reconstrução da sua vida.


Quando eu vi o trailer, sinceramente, eu não gostei. Parecia um musical, uma coisa meio Rainha da Sucata, pancadão no subúrbio. Vendo o filme, ele não tem nada de musical, e eu até estranhei. E me surpreendi. O filme é realmente bom. A gente não consegue desviar a atenção por um segundo e nos envolvemos com o enredo. Até que o filme acaba e começam os créditos finais, e o filme vira musical... Broadway na favela. Um horror! Todo mundo dançando uma música horrível chamada Jai-Ho numa estação de trem imunda... Eu poderia ter ficado sem essa.


Claro que como o filme se passa na Índia, todas as personagens são indianos, inclusive uma parte dele é falado em hindi, esse final musical é uma clara influência, ou homenagem a Bollywood, a indústria cinematográfica indiana, que é conhecida por seus musicais e que produz mais filmes que Hollywood. Os filmes e os artistas são muito famosos lá na Ásia. Eu nunca vi nenhum, mas se forem iguais aos créditos finais de Slumdog, prefiro deixar passar...


Esse filme foi um presente dos céus na carreira do Dev Patel. Com certeza ele vai mudar a sua vida, mas não tanto. Deixem-me explicar. O caso dele me lembra a Marlee Matlin, por exemplo, uma atriz muda que ganhou o Oscar de melhor atriz por Filhos do Silêncio. Entrou pra classe A da indústria, mas ficou só nisso. Quantos filmes por ano com gente muda iriam ter para ela atuar? É nesse ponto que eu penso nele. Ele é inglês, de origem indiana, e com certeza ele nem faz o perfil étnico que normalmente estrela filmes hollywoodianos, tampouco há muitos coadjuvantes indianos nos filmes para que ele trabalhe.

Nem pra Bollywood acho que ele serviria, porque é uma indústria que exigiria que ele cantasse e dançasse (e pelo final do filme, já deu pra ver que ele não é bom nisso) e também que leva muito em consideração a beleza física dos artistas. Normalmente as atrizes são ex-misses e os atores são todos fortes e robustos. Quem tá dentro desse perfil é a Freida Pinto, a outra protagonista do filme, uma menina lindíssima, mas ele de fato não se enquadra nesse também. Pelo visto, ele teve uma chance de ouro de brilhar, que soube aproveitar, será sempre lembrado e reconhecido, mas vai continuar se virando nos 30... E cá entre nós, esse padrão de beleza indiano é baseado nos indianos ricos mestiços, todos com descendência européia. São rostos bonitos e exóticos, mas também não são exatamente os mesmos dos mais de 1 bilhão de pessoas que habitam a Índia.

O sucesso do filme tem ultrapassado o esperado. Foi o grande vencedor do Critics’ Choice Awards e do Globo de Ouro. Apesar de ter gostado muito do filme, na minha modesta opinião, Milk, Apenas Um Sonho e, principalmente, Benjamin Button, são superiores a ele. Acho que o Oscar ele não leva. A Academia provavelmente não daria o prêmio a um filme que não tenha um mísero americano no elenco, aí a chance dos demais cresce.

domingo, 11 de janeiro de 2009

Seção CINEMA // Critics' Choice Awards

Nesta quinta-feira, dia 8, foram entregues os prêmios do Critics' Choice Awards, um dos 4 mais importantes prêmios entregues em Hollywood. A primeira premiação do ano já mostra um pouco as tendências que as próximas premiações podem seguir.

Melhor Filme
Slumdog Millionaire

Indicados: Changeling, The Curious Case of Benjamin Button, The Dark Knight, Doubt, Frost/Nixon, Milk, The Reader, Wall-E, The Wrestler.

Acabei de ver Slumdog e logo, logo posto sobre ele. Foi um pouco surpreendente pra mim sua vitória. Eu esperava que o prêmio ficasse entre Benjamin Button, The Reader, Frost/Nixon e Milk.


Melhor Diretor
Danny Boyle, por Slumdog Millionaire

Indicados: David Fincher (The Curious Case of Benjamin Button), Ron Howard (Frost/Nixon), Christopher Nolan (The Dark Knight), Gus Van Sant (Milk).

Boyle estava entre os esperados, mas havia outros que eu esperava mais, como Fincher ou Gus Van Sant.


Melhor Ator
Sean Penn, por Milk - A Voz da Igualdade

Indicados: Clint Eastwood (Gran Torino), Richard Jenkins (The Visitor), Frank Langella (Frost/Nixon), Brad Pitt (Te Curious Case of Benjamin Button), Mickey Rourke (The Wrestler).

Prêmio esperado. Talvez Frank Langella e Brad Pitt tenham chegado perto.


Melhor Atriz
EMPATE
Anne Hathaway, por O Casamento de Rachel, e Meryl Streep, por Dúvida

Indicadas: Kate Beckinsale (Nothing But the Truth), Cate Blanchett (The Curious Case of Benjamin Button), Angelina Jolie (Changeling), Melissa Leo (Frozen River).

Acho até sem graça dar um empate. Eles deveriam criar uma forma de desempatar isso. Meryl é multipremiada e está sempre entre as indicadas, mas esta é a primeira vez que ela ganha esse prêmio em específico. Já Anne tem sido indicada pra tudo por esse trabalho, o primeiro filme que a põe entre as atrizes de premiações, apesar de ela ter feito Brokeback Mountain e O Diabo Veste Prada, que ganharam muitos prêmios. Vale lembrar que as duas atuaram juntas em Diabo. Angelina Jolie com aquele rosto forte na platéia parecia estar morrendo de inveja, mas é só a cara dela de malvada natural.


Melhor Ator Coadjuvante
Heath Ledger, por Batman - O Cavaleiro das Trevas

Indicados: Josh Brolin (Milk), Robert Downey Jr. (Tropic Thunder), Philip Seymour Hoffman (Doubt), James Franco (Milk).

Outro prêmio barbada. Ele já venceria se estivesse vivo, e agora ele deve receber todos os prêmios do universo, já que não vai ter outra oportunidade para reparar a injustiça. O diretor Christopher Nolan recebeu o prêmio por ele.


Melhor Atriz Coadjuvante
Kate Winslet, por The Reader

Indicadas: Penelope Cruz (Vicky Cristina Barcelona), Viola Davis (Doubt), Vera Farmiga (Nothing but the Truth), Taraji P. Henson (The Curious Case of Benjamin Button), Marisa Tomei (The Wrestler).

Outro prêmio surpresa. Kate é a eterna indicada que nunca vence, e desta vez desbancou a favorita espanhola. Talvez por esse motivo ela venceu, mas no conjunto da obra, Kate é muito mais atriz. Não vi The Reader ainda, mas eu até prefiro a Taraji à Penélope. Kate não estava presente.


Outros prêmios:

Melhor Roteiro
Simon Beaufoy, por Slumdog Millionaire

Indicados: Dustin Lance Black (Milk), Peter Morgan (Frost/Nixon), Eric Roth (The Curious Case of Benjamin Button), John Patrick Shanley (Doubt).


Melhor Ator Jovem
Dev Patel, de Slumdog Millionaire

Indicados: Dakota Fanning (The Secret Life of Bees), David Kross (The Reader), Brandon Walters (Australia).


Melhor Elenco
Milk - A Voz da Igualdade

Indicados: The Curious Case of Benjamin Button, The Dark Knight, Doubt, Rachel Getting Married.



Melhor Filme de Ação
Batman - O Cavaleiro das Trevas

Indicados: Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull, Iron Man, Quantum of Solace, Wanted.


Melhor Filme de Comédia
Trovão Tropical

Indicados: Burn After Reading, Forgetting Sarah Marshall, Role Models, Vicky Cristina Barcelona.


Melhor Animação
Wall-E

Indicados: Bolt, Kung Fu Panda, Madagascar 2, Waltz With Bashir.


Melhor Trilha Sonora
A.R. Rahman, por Slumdog Millionaire.

Indicados: Alexandre Desplat (The Curious Case of Benjamin Button), Clint Eastwood (Changeling), Danny Elfman (Milk), Hans Zimmer/James Newton Howard (The Dark Knight).


Melhor Canção
Bruce Springsteen, por “The Wrestler”, de O Lutador

Indicados: Jack White, por "Another Way to Die" - Jack White e Alicia Keys (Quantum of Solace), Peter Gabriel e Thomas Newman, por "Down to Earth" - Peter Gabriel (Wall-E), Miley Cyrus e Jeffrey Steele, por "I Thought I Lost You" - Miley Cyrus e John Travolta (Bolt), A.R. Rahman e Gulzar, por "Jaiho" - Sukhwinder Singh (Slumdog Millionaire).


Melhor Documentário
Man on Wire

Indicados: I.O.U.S.A., Roman Polanski: Wanted and Desired, Standard Operating, Procedure, Young At Heart.


Melhor Filme para TV
John Adams

Indicados: Recount, Coco Chanel.


Melhor Filme de Língua Estrangeira
Valsa com Bashir (Israel)

Indicados: A Christmas Tale / Un Conte de Noël (França), Gomorra (Itália), I’ve Loved You So Long / Il y a longtemps que je t'aime (França, Bélgica), Let the Right One In / Låt den rätte komma in (Suécia), Mongol (Alemanha, Cazaquistão, Rússia, Mongólia).


Pelo jeito gostaram mesmo de Slumdog…