sábado, 21 de novembro de 2009

Seção CINEMA // Crítica Lua Nova

Lua Cheia de Amor: Quem Tem Medo do Lobo Mau?

A Saga Crepúsculo: Lua Nova // The Twilight Saga: New Moon


Nota: 5,5


Como o dinheiro move montanhas, e há mais livros continuando com a história, mesmo que má e porcamente pelo andar da carruagem, os estúdios não perderiam a oportunidade de arrancar dinheiro do bolso de adolescentes fanáticas que ainda não sabem diferenciar arte de comércio, e gente como eu que pagam só pra ter argumento pra meter o pau. Porque, sinceramente, a história do primeiro, que dizem ser menos fiel ao livro, que eu não li e jamais lerei, é muito superior. Só peca quando cai naquela babaquice de mordida, sangue, veneno, a luta do bem e do mal, espada de Greyskull, etc. e tal. E aqui é praticamente só isso que tem. O pouco que difere disso e lembra o primeiro filme não convence. Ainda mais porque todas as personagens mudam seus comportamentos.

Bom, depois do final feliz do primeiro filme, a história continua no aniversário da Bela. Ela acidentalmente se corta com um papel de presente e provoca tumulto na casa do vampiro-purpurina, que brilha ao sol feito a Priscilla no deserto. É aí que Pattinson realiza que o relacionamento é inapropriado e dá um pé na bunda na coitada, no meio da floresta. Ela já devia ter feito uma sangueroska e dado pra esse povo faz tempo, francamente... Com sangue de galinha mesmo, eles nem iam notar a diferença. Aí ela dá adeus à menina segura, decidida e independente e vira uma espécie de Penélope Cruz em Vicky Cristina Barcelona, sem o furor latino. Uma mulherzinha histérica e descontrolada, fazendo merda a torto e direito, gritando feito uma louca noite adentro por causa de um pesadelo à toa. A feminista virou donzela de conto de fada. Eu a tinha jogado no hospício de Garota Interrompida do lado da Angelina Jolie. Ela ficava boa do fricote logo, logo.

A Kristen cada vez mais me lembra a Jodie Foster. Em todos os sentidos, se é que vocês me entendem... E ainda fazendo par com o Pattinson, que é canastrão até nos músculos desenhados com maquiagem (foto acima), é que fica mais difícil de digerir o motivo de tanto deslumbramento. Imagina o bafo de sangue de cavalo que ele deve ter... No primeiro colou, mas dessa vez tem concorrência. E desleal. Então não dá pra engolir o romancezinho adolescente. Ainda mais porque são adolescentes (ela, no caso, ele é mais velho até do que o Nino do Castelo Rá-Tim-Bum, só não envelhece). Mudam de opinião como quem muda de roupa.

Após o abandono ela "busca esquecer" o purpurina reformando uma moto velha com ajuda do Jacob, feito pelo Taylor Lautner, o cabeludo cafona do primeiro filme, e ali floresce uma nova paixão. O filme extrapola o nível do fantasioso. Quando um jovem musculoso e bronzeado (mesmo morando no frio e chuvoso estado de Washington) aparece seminu no quarto de uma adolescente de 17 anos, e claramente há atração física entre eles, o que acontece? Pois é, só aqui que não acontece nada... É muita pureza pra minha hipocrisia. Nem a filha da Sarah Palin lá no Alasca (provavelmente por muito menos) deixou passar, quanto mais esses dois.

Só que o que ela descobre depois é que o novo peguete dela é lobisomem. Na boa, essa menina é um imã de esquisitice. No próximo filme deve ter o encontro do Papai Noel com Coelhinho da Páscoa, só pode. Pé Grande, Múmia, Frankenstein, Penadinho, todo mundo na fila pra aparecer também. Saci Pererê e Mula Sem Cabeça não chegam lá porque é longe e frio. Qualquer dia também vai encontrar os smurfs, porque ela não é Chapéuzinho Vermelho, mas adora se enfiar num mato. E só encontrou vampiro e lobisomem até agora. Já dá pra soltá-la na Amazônia, porque pra quem encara vampiro e lobisomem, sucuri e onça pintada ela tira de letra.

O outro filme era menor, de baixo orçamento, e com o sucesso ganhou mais verba pras seqüências, tiraram a diretora e trouxeram o diretor de A Bússola de Ouro, expandiram o elenco, contrataram a Dakota Fanning, que era adorável em Uma Lição de Amor, e agora tá crescendo e me lembrando um pouco as gêmeas Olsen, e o Michael Sheen (foto acima), de Frost/Nixon e A Rainha, mas os efeitos especiais continuam ruins. Nenhum dos lobisomens parece real. Parecem personagens de vídeo game. E logo no começo, quando a Bela tira uma foto dos amigos, o efeito que fizeram no visor da máquina é péssimo. A maquiagem melhorou pouca coisa só.

O roteiro tampouco ajuda. Tem uns diálogos tenebrosos e umas cenas sem pé nem cabeça. A cena da Bela deprimida no quarto fazendo nada enquanto o tempo passa e ela pensa na morte da bezerra, foi muito melhor feita há 10 anos atrás em Um Lugar Chamado Notting Hill, com o Hugh Grant andando por uma feira enquanto as estações mudam. E ainda tinha o Ronan Keating cantando "When You Say Nothing At All" de trilha incidental, pra dar mais charme. Ou é "Ain't No Sunhine", não lembro mais... Faz dez anos já. Outra coisa que eu não entendo é por que em todo filme que alguém foge vai parar no Rio. Já virou esconderijo oficial de Hollywood. Pelo menos esse gênero é prato cheio pra tirar sarro. Continuarei a ver as seqüências pra ainda ter muito deboche pra escrever!

6 comentários:

  1. Vítor,
    Tô me acabando de rir com a sua crítica à Lua Nova!
    Ainda não o assisti... mas pretendo ir hoje.
    Aliás, somente ontem assisti a Crespúsculo. E o achei muito fraco também. E olhe que eu até gosto de filmes que têm vampiros e lobisomens. Até hoje o melhor nesse segmento pra mim foi Drácula de Bram Stoker.
    Já assisti a muitos filmes vampirescos e também acompanhei séries de TV nessa linha (estou até assistindo a The Vampires Diaries no momento), mas em nenhum deles havia vampiros que pudessem brilhar tal qual purpurina ao sol! Faria mais sentido se eles queimassem ao sol e não brilhassem, isso sim! Rsrsrs.
    Beijão.

    ResponderExcluir
  2. Eu vi o Dracula de Bram Stoker há muito tempo atrás, nem lembro mais como é. E já notou como depois de Crepúsculo surgiram uma penca de seriados de vampiro? Vampire Diaries, True Blood, etc. Também não entendo qual a lógica de vampiro brilhar no sol, mas a autora mudou tudo, né? Vampiro aqui não dorme em caixão, não morre com estaca, nem se espanta com alho, crucifixo ou água benta. Vai entender...

    ResponderExcluir
  3. Pq vc apagou meu recadinho??
    Eu me esforcei pra escrever aquilo!!!

    Magoei!

    ResponderExcluir
  4. Asnalfa, tenta manter teus comentários nos filmes, só isso.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Primeiro, adoro quando você assisti a filmes que você já sabe que não vai gostar porque eu me divirto com as críticas;
    Segundo, kkkkkkkkkkkkkkkkkkk (você sabe o que estou pensando depois que li esses comentários neh)
    Terceiro, A música do Notting Hill é "Ain't no sunshine". Tava vendo o filme quando li a crítica. E, por sinal, eu não lembrava dessa passagem das estações, lembrava apenas dele andando na feira.

    ResponderExcluir
  6. Ri de chorar lendo isto. Agora entendo pq o filme é tão ruim: esse diretor! A bússola de ouro tinha tudo para ser bom, mas é todo entrecortado, mal feito, inacabada, assim como LN.
    A força que faz da série coqueluxe, no entanto se manteve aos olhos dos fãs - só migrou de rostinho bonitinho para peitoral escândalo. TL é um momento "ô, lá em casa" difícil de não apreciar.
    beijinhos!

    ResponderExcluir