segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Seção CINEMA // Crítica A Verdade Nua e Crua

O Chauvinista e a Puritana

A Verdade Nua e Crua // The Ugly Truth


Nota: 5,5


Como eu já tinha dito, comédias românticas normalmente são boas pra não se pensar demais. Desligar o cérebro e relaxar. Mas pensando por outro lado, elas normalmente carregam consigo uma carga pesada de valores tão retrógrados, ultrapassados, que eu até me pergunto qual a razão deles ainda existirem, e fica difícil só relaxar e deixar levar. Foi assim com A Proposta, e não foi diferente com esse aqui também. Gosto muito da Katherine Heigl, adoro seu trabalho desde que comecei a ver Grey’s Anatomy, onde ela é uma das minhas personagens favoritas, e também em Ligeiramente Grávidos e Vestida pra Casar, e o Gerard Butler me chamou atenção desde que vi Querido Frankie, mas ele não fez nenhum filme que realmente me agradasse desde então.

A história é sobre a Katherine, uma produtora de TV, em busca do amor. É o que todas buscam nesses filmes não? Ela produz um telejornal matinal que vem caindo na audiência. Então seus chefes resolvem contratar o Gerard, um apresentador de um programa noturno chamado A Verdade Nua e Crua (ou A verdade Feia, como seria a tradução ao pé da letra do inglês) que fala sobre relacionamentos, pra fazer comentários no jornal... sobre relacionamentos. O problema é que o seu tom machista, misoginia e objetificação da figura feminina nos seus comentários desagradam e muito a Katherine.

Nesse primeiro momento que ele entra no ar, a cena é ridícula. Ele causa uma briga entre os dois âncoras do telejornal, que são casados, diga-se de passagem. Enquanto ele insiste que o papel da mulher é simplesmente fazer o homem despertar os seus instintos mais primitivos, como diria Roberto Jefferson, ela jamais pode emasculá-lo, inibir o macho viril que reside dentro dele, a Katherine esperneia nos bastidores porque disseram “ereção” no ar. Não conseguiria decifrar quem é o mais pré-histórico dos dois, apesar dos antagonismos.

No meio das briguinhas dos dois, ela diz que só queria um homem ideal. Ele a desafia a encontrá-lo, e eis que surge o seu vizinho, nu com a mão no bolso, num primeiro momento, pra não perder o ibope. Mas ele é um médico, em forma, fino, educado, gentil, ouve música clássica, faz passeios românticos, e gosta de cachorros, mas ama gatos. Ou seja... Um gay. Mas não é... Esse ser perfeito, acima do bem e do mal, é feito pelo Eric Winter, que eu "conheci" fazendo o irmão do Rob Lowe em Brothers and Sisters. Ele era o ministro evangélico gay, que tem um relacionamento com o filho da Sally Field. Existe coisa mais hipócrita e contraditória do que ser um missionário religioso gay? Enfim, ela então inicia um flerte com ele, mas não faz a mínima idéia de como laçá-lo de vez, e adivinha quem a ajuda nessa jornada?

Aí a história segue aquela linha manjada de Hitch – Conselheiro Amoroso ou Amigos, Amigos, Mulheres A Parte, duas preciosidades cinematográficas... O Gerard ensina, e ela pratica. Tudo para agradar o seu homem. Só faltou ele ensiná-la a cozinhar, lavar e passar. Mas como o Eric é coadjuvante na história, só há uma foto de divulgação dele no filme (ver acima), sem contar a foto da bunda, e também não aparece em nenhum dos cartazes do filme, a gente nem precisa adivinhar como será o fim dessa novela.

Mas agora vem o spoiler, que eu não poderia deixar passar em branco no comentário, por favor, não leiam se quiserem ver o filme. Ou leiam... No fim das contas, apesar de ela reconhecer que ela não foi autêntica em nenhum momento com o cara, e que ele não a conhece, ela troca o bonitão perfeito pelo bonitão machista, porque a verdade nua e crua é que a mulher tem que fazer tudo pra agradar o homem, mas ele pode muito bem ser aceito do jeito que ele é. Se isso não for discriminação, eu não saberia definir o que seja. E ainda vem a Miss Venezuela (atualmente Universo) dizer que as mulheres conquistaram o mesmo espaço dos homens. Santa ignorância, Batman...

5 comentários:

  1. Nossa.. vc anda atualizando muito o blog! Adoro suas postagens, vc escreve muito bem!
    Mas sobre o filme eu so posso dizer que morri de VA por causa do poster (nem pretendo assisti-lo). Reparou que colocaram o coracao na cabeça da mulher e um coração nos "países baixos" do homem? Isso so reforça mais o preconceito de que o homem pensa com a cabeça de baixo!!!

    ResponderExcluir
  2. Ah, mas esse poster eh bem comum ja. Ja vi varias pessoas com esse desenho na camisa. Isso pode ate ser preconceito com a maioria das pessoas, mas nao deixa de ser realidade que sexo pros homens eh uma coisa mais descompromissada do que pras mulheres.

    ResponderExcluir
  3. Gerard Butler coloca um coração nos meus países baixos. KKKKKKKKKKKK.
    Tá foi podre, mas não resisti.
    He is HOT!

    ResponderExcluir
  4. oi acabei achando seu blog e li algumas postagens suas esse foi um deles e gostei vc parece ter personalidade e sabe escrever!!!Quem sabe eu continue lendo...bjos

    ResponderExcluir
  5. Oi Bianca, obrigado pelos elogios. Sinta-se a vontade pra voltar sempre que quiser.

    ResponderExcluir