quinta-feira, 30 de julho de 2009

Seção CINEMA // Crítica Clube da Luta

Um Tapinha Não Dói...

Clube da Luta // Fight Club

Nota: 5,0

Eu vi esse filme quando ele foi lançado e não gostei. Mas o filme é do David Fincher, ele fez O Curioso Caso de Benjamin Button, que foi um dos últimos “grandes filmes” que eu vi. Tem o Edward Norton, a Helena Bonham Carter, o Jared Leto (num papel abjeto), etc. Então resolvi dar uma chance ao amor e revi. Minha opinião: Bom nos primeiros 20 minutos. O filme perde a graça quando o Brad Pitt aparece. Nada contra o Brad, muito pelo contrário, eu gosto dele, acho bom ator, mas o personagem dele dá outro rumo à história, muda o foco totalmente de direção. Em outras palavras, ela fica enfadonha. A história do Edward, entrelaçada com a da Helena, era bem melhor e poderia se desenvolver para coisas bem interessantes. Mas não, tudo muda de rumo para um clube da luta. Eu acho tudo isso tão primitivo, tão acéfalo. Pra não dizer imbecil mesmo... No mesmo balaio de tourada, briga de galo ou pitbull. Detesto essas formas de violência, até as ditas “civilizadas”, como boxe, vale tudo, full contact, street fighter, mortal kombat, dragon ball e afins.

Bom, na história o Edward tem problemas com o sono. A alternativa dele para conseguir dormir é visitar grupos de pessoas com problemas e doenças. Fingindo ser um deles, ele compartilhava a dor, chorava e conseguia dormir ao ir pra casa. Mas aí surge a Helena (a bruxa-mór de Hollywood na atualidade), que também visita vários desses grupos e acaba com o barato dele, porque ele não consegue mais mentir para si mesmo. Interessante a história, não? Pois é... Mas muda tudo.

Enfim, o Edward conhece o Tyler (Brad Pitt) numa viagem e acaba ficando com um cartão dele. Ao chegar em casa, ele percebe que o seu ap explodiu. Sem ter pra onde ir, ele liga para duas pessoas: A Helena e o Tyler. Ficar com a Helena seria dar continuidade a história anterior e descobrir o que eles tinham em comum e o que a levava a visitar aqueles grupos. Interessante, não? Mas ele apela para o Tyler e juntos fundam esse clube, que é um verdadeiro hino ao discernimento, à dialética, à divagação e ao raciocínio.

Bom, a premissa do tal clube é ir contra o consumismo e o padrão de vida que nos é imposto, em que vivemos para consumir e gastar com coisas que não precisamos e sempre sonhando em ser pessoas que nunca seremos. Tudo muito lindo, mas onde é que sair por aí se estapeando se encaixa no meio disso é que eu não faço a mínima idéia. Além do discurso soar hipócrita vindo de quem vem, tipo a cena no ônibus em que o Brad critica uma propaganda da Gucci e o padrão de beleza pregado por ela. Como se ele não vivesse disso. Ele não é loiro de olhos azuis, nem alto, nem magro, nem atlético, completamente fora dos padrões e jamais poderia estar naquela propaganda... Além de outras como as críticas a milionários e estrelas de cinema. Nada em que ele se encaixe no perfil...

Ele (o Tyler) tem sempre milhares de informações muito úteis. Quase sempre de como se fazer explosivos. Ou sabonetes. Eu, como exímio aluno de química que fui, jamais teria esse conhecimento. Ainda bem que as idéias são bem acessíveis, por exemplo, ter que roubar gordura humana de uma clínica de lipoaspiração para se fazer sabonetes. Uma das várias cenas super agradáveis do filme... Pelo menos ele ensina algo realmente útil, como se neutralizar uma queimadura química (com vinagre, não com água) na pior cena do filme pra mim.

E falando em idéias, esse filme de fato dá idéias, e fora a da gordura, outras estão no alcance de nossas mãos. O discurso do Edward sobre um cara entrar com uma arma num escritório e atirar em todo mundo foi exatamente o que o estudante de medicina fez em São Paulo numa sala de cinema há, mais ou menos, 10 anos atrás. E na sessão de qual filme? Dou um ingresso pra ver uma rinha de galo pra quem acertar.

O Tyler (papel do Brad) ainda foi eleito pela Empire como a personagem mais importante da história do cinema. Hã? Nem precisa perguntar qual o público que vota nisso, porque é bem óbvio. Devem ter um pôster do Rambo no quarto. E sejamos sinceros, só pra dar um exemplo, Harry Potter, que eu também não tenho grandes afinidades, é uma personagem muito mais conhecido e influente. Prefiro nem citar outros deveras importantes.


UPDATE: Eu não fui bom aluno de química, mas uma coisa eu posso esclarecer. Não é toda queimadura química em que se deve usar vinagre. O vinagre é um ácido, então ele neutraliza quimaduras causadas por bases. O caso reverso, quando a gente tem azia, que é a acidez excessiva do estômago, a gente toma uma base como o sal de frutas (que na verdade é um sal ácido de caráter básico) pra neutralizar a acidez e passar a queimação. Deu pra entender ou só eu me perdi na explicação?

25 comentários:

  1. Detesto esse filme! Qual personagem é o Jared leto?? É o loirinho-cabelo-branco? David Fincher nao passa de um picareta assim como David Linchy. Deste ultimo eu so gosto de "O homem-elefante." Do Fincher, a obra mais improtante dele é Bejnamim Button, o resto pode jogar no lixo.... As direcoes de arte dos filmes do Fincher são fantasticas! E as fotografias tb, mas os roteiros.....

    ResponderExcluir
  2. O personagem do Jared é o loirinho-cabelo-branco. Angel Face. Eu gosto do David Lynch. Adoro Cidade dos Sonhos. Do Fincher acho q só gostei de Button mesmo. Morri de sono em Zodíaco.

    ResponderExcluir
  3. Pra Clube da Luta eu dou nota Zero!!!
    Aff... detestei esse filme!!
    Nem o Brad consegue salvar o filme; aliás, a presença dele só faz piorar ainda mais o que já estava ruim!
    Zodíaco também é péssimo! Tive que assistir por partes, pois o sono era maior que tudo. Acho que levei uns dois ou três dias para terminar. E o pior é que nem me lembro mais como era o filme de tão ruim que ele era.
    Arrependo-me até hoje de ter esses filmes em meu acervo.

    ResponderExcluir
  4. Marie, eu também não gosto de nenhum dos dois, mas de Zodíaco acho que gosto menos. Clube da luta tem até um enredo que poderia ser interessante, dependendo da abordagem. São vários os filmes que já lidaram com temas parecidos (prefiro não citar pra não ser spoiler) sem ter que apelar pra pancadaria pra chamar público.
    E aliás, hoje vi teus filhos! Só tinha visto o mais velho há muito tempo. São lindos eles!

    ResponderExcluir
  5. Obrigada, Vitor!
    Você já tinha visto Lana também, mas quando ela ainda era um bebê. Foi no dia que você nos visitou lá no apartamento da minha prima em Boa Viagem. Lembra? É faz tempo mesmo...
    Eita, que daqui a alguns dias o seu sonho vai se transformar em realidade. Agora é só arrumar as malas e esperar ansiosamente o dia da partida! Sucesso por lá!!!
    Take care!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Verdade. Lembrei! Mas ela era tao pequenininha... Nem lembrava mais. Quando o primeiro nasceu eu nao sabia nem como andar em Recife, quanto mais chegar no hospital.
    Pois eh, viajo em poucos dias. Por enquanto to correndo pra nao viajar com nada pendente!
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. O POVO IGNORANTE KKK NÃO VEEM A FILOSOFIA QUE O FILME PASSA VEM SOMENTE A IMAGEM QUE ELE MOSTRA BANDO DE FI DUMA EGUA KKK TYLER AVISOU VCS NÃO ENTENDERAM . PLAYBOY ZADA DE MERDA VÃO TODOS SE AFUNDA NO CONSSUMISMO QUE MORRAM COM UM BALA NA TESTA

    ResponderExcluir
  8. ESSE VITOR COM ESSA CARA DE TROUXA AI NAO VAI LONGE MSMO KKKK MERDINHA ASSISTI O FILME VENDO O QUE CHUCK Palahniuck QUER MOSTRA SOBRE A SOCIEDADE ATUAL ( POLEMICO ) SEU OTARIO .

    ResponderExcluir
  9. Mas como que alguém que não sabe nem escrever, consegue entender qualquer coisa de filosofia?

    ResponderExcluir
  10. Vamos estudar um pouquinho de português. De vez em quando faz bem.
    Já que a criatura tá querendo chamar a atenção, então vamos colocá-lo no centro das atenções.

    "o povo ignorante não VÊ (verbo conjugado no presente do indicativo) a filosofia que o filme passa, (vírgula é um símolo usado na lígua portuguesa, inclusive, para separar orações) VÊ somente a imagem que ele quer MOSTRAR (verbo no infinitivo é com R no final). (aliás, se a gente vê o que ele quer mostrar, então quer dizer que entedemos bem a mensagem do filme, ou não?!?!?!)
    BANDO DE FI DUMA EGUA KKK (agora escrever o português popular, falado nas ruas, ele ou ela sabe! Só faltou o acento de égua! E sabe rir na internet também!)TYLER AVISOU VCS NÃO ENTENDERAM. (acertou a concordância verbal. INCRÍVEL)PLAYBOYZADA (junto fica melhor né!?) DE MERDA VÃO TODOS SE AFUNDAR (já falei que verbo no infinitivo vem com R no final) NO CONSSUMISMO (vou considerar erro de digitação) QUE MORRAM COM UMA (bala é uma palavra feminina portanto o pronome deve concordar com ela) BALA NA TESTA. (Devia escrever um livro melodramático)

    Como dizem por aí, as pessoas só devem criticar outras quando sabem fazer algo melhr que aquelas (pro anônimo: aquelas se refere às "pessoas" do início da frase)!

    ResponderExcluir
  11. Gente, o personagem do Brad é apenas o alter ego do personagem do Edward, ele não é real, existe apenas na imaginação do protagonista, que gostaria de ser loiro, alto, forte, destemido,conquistador... Ele descobre isso no final do filme e dá um tiro na cabeça tentando acabar com o ser que ele mesmo criou dentro dele! Assistam novamente sobre essa ótica e revejam suas críticas!Bjos.

    ResponderExcluir
  12. Deu pra entender isso sim, evidente. Só não queria entregar o fim do filme. Mas mesmo assim isso mostra que tudo que ele queria ser era um monstro, machista, hipócrita, violento e sociopata. Tudo bem, ele acorda pra vida, mas só depois do estrago já ter sido feito. E sinceramente, esse meio tempo que ele desenvolve a dupla personalidade até ele se dar conta dela (eu não estou certo, mas acho que ninguém descobre sozinho, precisa de ajuda de profissionais), eu nem achei interessante, nem divertido.

    ResponderExcluir
  13. Nem acredito que perdi meu tempo vendo aquele monte de asneiras, Vitor.
    Eu realmente não entendo o culto cromossomo Y a essa filme. A única coisa que justifica isso é o fato de que 'machinhos' frustrados deliram por esse tipo de baboseira - que se diz anti-capitalista, mas gira em torno do sentido que o capitalismo dá a vida das pessoas. Quem se sentiu saciado com aquele filme? Qual o propósito filosófico?
    Dizer que a nossa sociedade embora seja feito pelos e para os homens
    chegou no limite de atender às realizacões pessoais destes (já que as mulheres muito mal estão representadas no filme, a personagem da HBC é um vulto, não uma pessoa, cheguei a pensar que fosse o alter ego feminino dele), que andam por aí, se sentindo menos o centro do universo, fadados ao fracasso, com um monstro interior insano e carniceiro ponto para aflorar e recuperar a dignidade de sua testosterona a custa de porradas e olhos roxos? Eu tenho que ter um pinto (e, possivelmente, bem pequeno) pra entender isso? Por que realmente não saquei qual é.

    ResponderExcluir
  14. Como já foi dito ele abordou um tema ja "manjado", só assisti mesmo por causa da participação do Jared, pois sou fã de 30 seconds to mars.

    ResponderExcluir
  15. Só uma coisa, o ponto do filme REALMENTE não foi entendido. O "Clube da Luta" em sí, foi simplesmente algo que Tyler/Narrador criou para extravasar a raiva. O ponto do filme foi mostrar a sociedade em que vivemos, e como o personagem foi capaz enlouquecer com isso (mesmo sem ser deliberadamente), ao ponto de criar uma segunda personalidade, pra tentar se livrar de tudo que o incomoda, seja no mundo, seja nele mesmo. Daí sai o Tyler, que não é perfeito, a vista do narrador,(e apesar de no filme Brad Pitt interpretá-lo, Tyler não poderia estar em um cartaz de propaganda, o personagem em sí, é brega, fora de moda, anda cambaleante, tem um olhar insano e atitudes contraditórias) mas como ele mesmo diz, Tyler é tudo o que o Narrador queria ser, ao mesmo tempo em que ele é tudo o que o Narrador evitava se tornar. Ele é o clássico anti-herói que faz tudo o que deve ser feito, não importando o que vai custar pra isso.
    O filme não se trata da pancadaria, e sim da bipolaridade do personagem.
    Tyler/Narrador é da mesma classe de personagens de V (V de VIngança), Batman, Dexter.
    Simplesmente só viram as imagens, não deram uma chance sequer para o filme em sí.
    Bem, há não ser que vocês matem todos os personagens com uma sanidade duvidosa.

    ResponderExcluir
  16. vcs estão diante de uma obra -prima do cinema e da literatura...a percepção de vcs está péssima!!vcs são o tipo de pessoas que o Fight club critica!querem tudo nas mãos!pensem um pouco...pelos comentários vi que vcs não entenderam porra nenhuma do filme e tão ai falando merda....a luta do filme ,meu povo, é psicológica!!! o incompreensível irrita o ignorante e desperta sábio...renan

    ResponderExcluir
  17. comecei a ler a sua critica e parei a meio ... posso dizer que vc nao percebeu puto do filme ou nao quis perceber .
    para começar o papel do Brad Pitt deve ser o melhor trabalho dele ...
    O facto de o realizador o escolher a ele para interpretar o papel do tyler tem um proposito é mostrar aquilo que a maioria da sociadade sonha como refere no filme ser astros do cinema ser estrelas de rock que são ideias que são propostas pela hollywood/tv ..
    E todos sabemos que o Brad Pitt é visto como o menino bonito da hollywood daí ele ser a personagem criada por o narrador !!
    E eu arrisco a dizer com muita pena minha que nao devo ver um filme tão bom como este na minha vida (e ainda tenho 22 anos )

    ResponderExcluir
  18. Perdi meu tempo lendo esse blog para saber se vocês realmente sabia do que falava, mas você não sabe kkkk
    Já que a pessoa que pôs sua critica sobre o filme, não tem a capacidade de interpretar sozinha, eu posso ajudar. O clube da luta é um centro de apoio para homens, eles lutam simplesmente para se sentirem VIVOS e independentes, porque o sistema consumista nos controla de um modo que não vivemos para nós mesmos, então eles fogem disso. (espero que eu não tenha que explicar como o consumismo nos controla também).
    Por que uma de suas tarefas é causar uma briga e perder? Justamente porque o objetivo do clube da luta não é "se bater" lutar, ganhar, e sim ter prazer em fazer algo que não é comprado, e fazer outras pessoas que são controladas por esse sistema sentirem isso quando elas ganham, coisa que elas não tem na mesquindade de suas vidinhas sutis satisfeitas por seus objeto banais requisitados. De nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado pelo teu comentario.
      fiquei chocado com esta critica a este filme.
      Ou a pessoa que escreveu este post é muito retardada, ou não percebe mesmo um caralho de cinema.
      Bons sao os filmes como missão impossivel, velocidade furiosa e mais palhaçadas dessas que não passam de filmes banais.
      Cambada de burro foda-se

      Excluir
    2. obrigado pelo teu comentario.
      fiquei chocado com esta critica a este filme.
      Ou a pessoa que escreveu este post é muito retardada, ou não percebe mesmo um caralho de cinema.
      Bons sao os filmes como missão impossivel, velocidade furiosa e mais palhaçadas dessas que não passam de filmes banais.
      Cambada de burro foda-se

      Excluir
    3. o que seria da minha inteligência sem vocês...

      Excluir
  19. Vitor, está na hora de rever essa obra-prima, não acha não? :D

    A minha crítica: http://cineroad.blogspot.pt/2008/09/clube-de-combate-1999.html

    Abraço,
    Roberto Simões
    CINEROAD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não... eu acho um filme pretensioso que usa a desculpa de criticar o capitalismo para vender um tão (ou até mais) falido de masculinidade/virilidade, onde prazer e soluções vem na base da agressão. DeLorean pro paleolítico?
      Sem contar que incita a violência e mentalidades reacionárias e fascistas. Aqui mesmo no Brasil, quando o filme estava em cartaz no cinema, um sujeito, que se encantou e viu o filme diversas vezes, invadiu uma sala armado e matou diversas pessoas que estavam assistindo, influenciado pelas ideias brilhantes que esse filme passou. Então eu não tenho estômago para vê-lo, por questões socio-culturais e ideológicas.

      Excluir