sábado, 6 de junho de 2009

Seção CINEMA // Crítica Magnólia

De caso com o acaso

Magnólia // Magnolia


Nota: 10


Como já diria a canção de Albert Hammond, nunca chove no sul da Califórnia. Quando chove, há algo de muito estranho acontecendo. Talvez não seja tão estranho assim. É apenas difícil de enxergar. E assimilar. Magnólia é um close na sociedade, especialmente a americana, aquela que cultua os vencedores, onde a maior ofensa é ser um loser (perdedor), onde as pessoas não sabem como agir quando as coisas não vão a seu favor. Mas o que não se dão conta, é que todos têm um loser abafado no âmago. Todo mundo tem seus problemas. Eles deixam marcas. Trarão conseqüências cedo ou tarde. Acompanhamos nove pessoas com seus demônios pessoais. Pessoas consumidas pela culpa, pessoas desajustadas devido a traumas ocultos. Oprimidos e opressores. Todos eles carregam dentro de si um desespero silencioso prestes a desabar como um temporal.

Como a lidar com esse desespero? Nenhum deles sabe ao certo. Ninguém ensina. O mundo não foi feito para eles. Então só os resta engolir tudo isso. Mas será que realmente há como reprimir esse sentimento por muito tempo? Provavelmente não. E isso é tudo o que presenciamos.

Como o desespero se manifesta? Quando se puxa o tapete e a sujeira debaixo ainda está lá. Reconhecendo os seus próprios erros. Sombras de um passado que voltam a atormentar. Pela constatação de tudo o que poderia ter sido e não foi. Através de uma verdade que se recusou a enfrentar. Pelo surgimento de um sentimento inesperado. Por uma necessidade fisiológica.

E ele vem forte, como uma tempestade de verão. Vem limpar tudo que ficou por cima. Vem mostrar que ele ainda está lá. Que precisa ser encarado. Que precisa ser resolvido. Que não podemos nos esconder de quem somos. E as mágoas guardadas, o grito de socorro (retratado na canção final da Aimee Mann), por tanto tempo abafado, precisam ser expelidos.

O filme começa com três rápidas histórias. Histórias estranhas. Difíceis de ocorrer. Coincidências aparentemente. Mas será que elas são mesmo fruto do acaso? Será que elas não acontecem todos os dias? Acontecem na sua rua. Acontecem em torno da rua Magnolia. Acontecem em todos os lugares. E estão interligadas umas as outras, como as pétalas de uma flor. Mesmo que não se perceba.

Essa é para mim uma das obras primas do cinema contemporâneo. Com certeza o melhor filme de Paul Thomas Anderson. Muitos não entendem. Não é um filme fácil. O roteiro também não mastiga as informações. Te deixa livre para pensar e tirar suas conclusões. Um exercício mental que não estamos acostumados.

O elenco é primoroso. Tom Cruise, no melhor papel de toda sua carreira, foi o mais elogiado deles. Quase ganhou o Oscar. Eu o vejo com altos e baixos. Achei perfeito na entrevista e na palestra, mas achei caricato na visita. Julianne Moore é uma das maiores atrizes da sua geração. O excelente William H. Macy é o eterno e menosprezado coadjuvante. Philip Seymour Hoffman seguia o mesmo caminho até Capote. Ainda vemos pontas de outros famosos, por exemplo, Felicity Huffman, que hoje faz sucesso em Desperate Housewives, indicada ao Oscar por Transamérica.

O formato de histórias interligadas, similar ao estilo Robert Altman, lembra Short Cuts, e virou coqueluche entre os roteiristas depois disso. Mas nunca com o mesmo brilhantismo. Com a mesma honestidade e profundidade. Nem Babel, muito menos Crash chegaram perto da genialidade deste. Justamente por ele deixar tudo em aberto, todas as metáforas ao léu, para cada um tirar suas conclusões, enxergar e refletir sobre as que mais o tocar.

Não há interpretação única para ele. Esta é a minha. A sua pode ser outra. E deve ser outra. Cada um vê o mundo com o seu repertório de sensações e emoções, e são eles que nos fazem tão diferentes uns dos outros, com opiniões, idéias e ideais distintos. Procurar respostas simples aqui é impossível. Os diálogos são simples. Mas as pessoas são complicadas. As personagens são assim. Nós somos assim. Magnólia é sobre todos nós. Nós podemos ser como qualquer um dos nove. Conhecemos todos eles por aí, mesmo sem os reconhecer. Nosso temporal também irá desabar uma hora. Será que estamos preparados para ele?

5 comentários:

  1. Que texto absurdo de lindo. Amei, amei. Sua melhor resenha desde o início deste blog. Magnólia é filme que amo. Suas impressões são nítidas me fazem lembrar as minhas. Veio um desejo danado de rever...
    beijos, amigo querido.

    ResponderExcluir
  2. ai, eu com pressa e cega:
    suas impressões *tão nítidas me fazem lembrar as minhas. Que agora são muito vagas. Mas evocou as sensações que tive nos idos de 2001, quando vi este filme. Me doeu tanto que nunca tive coragem de rever. Até agora.
    A trilha também é algo. E a tempestade é uma das cenas mais lindas da cinematografia mundial.

    ResponderExcluir
  3. Muito boa a sua interpretação, Vitor. Quero rever o filme e ver se concordo com ela. Porque nunca entendi aquela chuva de sapos!

    ResponderExcluir
  4. A chuva de sapos é referencia a Biblia... tem um mmonte de referencias a Biblia neste filme.. .basta reparar com atencao no auditorio.. tem algumas pessoas do set q seguram cartazes com numeros que fazer referencia a versiculso e tal e tal..
    tem essa discussoa no orkut... la na comunidade do filme...

    ResponderExcluir
  5. É verdade. No antigo testamento há referência à essa chuva como um castigo divino. Eu gosto dessa interpretação também.

    ResponderExcluir