sábado, 16 de maio de 2009

Seção CINEMA // Crítica Anjos e Demônios

Não somos anjos

Anjos e Demônios // Angels & Demons


Nota: 6,0


O outro Best seller do Dan Brown também teve sua versão cinematográfica produzida. E com a mesma equipe de O Código Da Vinci. Ron Howard o dirigiu novamente, e Tom Hanks, com um penteado melhor, o protagonizou. Somam-se à equipe o Ewan McGregor, que está vestido demais para os seus padrões normais, o Stellan Skarsgård, que fez Mamma Mia (eca!) e a outra protagonista, Ayelet Zurer, que eu nunca vi mais gorda. O Código Da Vinci foi muito mais aguardado e alardeado, então eu, que detesto ler (não tenho paciência alguma), decidi conferir o livro antes vê-lo. Como quase sempre acontece, achei o livro melhor que o filme. E o filme cada vez mais cai no meu conceito. Tanto que dessa vez eu nem li o livro. Apenas fui conferir o filme, que eu só sabia que ia estrear um dia antes de entrar em cartaz.

Bom, em miúdos, a história é sobre um projeto de biofísica que reproduziu em laboratório o Big Bang e teve a sua reprodução roubada (no cinema essas coisas são possíveis), e esse "pequene explosivo in vitro" passa a ser usado como uma bomba para botar o Vaticano pelos ares. O motivo? Vingança da sociedade secreta “Illuminati”, formada por cientistas que desafiaram os dogmas da igreja católica e foram perseguidos e executados no século XVI. Um deles foi Galileu. Então, depois de alguns poucos anos, eles resolveram se vingar. Aí o Sherlock Holmes, digo, James Bond, perdão, Robert Langdon foi chamado para desvendar os enigmas lançados pelos “terroristas”.

Agora eu tenho que dizer o que eu achei né? Tá bom... Achei coisa demais espremida num looooooooongo filme de umas 3 horas de duração que mais parecem 6. Parece aquelas revisões pro vestibular em ginásio de esportes que a cidade inteira vai levando um quilo de alimento não perecível. Eles poderiam ter simplificado a história, cortado metade daqueles detalhes, e feito um filme mais coeso, ou então fazer seqüências. O filme joga muita informação em curtíssimos períodos de tempo, muitos detalhes históricos, que a gente não sabe se são verdades, lendas, mitos, boatos, calúnias ou invenções, e fica tudo muito difícil de acompanhar. Acho que ficar bem perto da tela e ouvir diversos termos em inglês que eu desconhecia (coisas tipo camerlengo, que não se aprende em curso, nem ninguém fala a respeito no dia a dia) também não ajudou. Eu tinha que muitas vezes escolher entre ler a legenda ou ver o filme. Muita coisa para se processar. Perdi o foco muitas vezes.

Além disso, o excesso de reviravoltas também irrita. Eu já acompanhei 5 temporadas de Lost e 3 de Heroes, e garanto que não tenho mais paciência para histórias com tantas mudanças de rumo. Quando a gente cria empatia com uma causa ou personagem, eles mudam tudo e deixam a gente com cara de tacho. Eu me sentia às vezes como personagem de desenho animado, que cresciam as orelhonas de burro: “por que eu não percebi isso?”. Mas a culpa não é nossa, a história foi feita pra isso. No terço final a gente se acostuma e passa até a adivinhar quando vai ter outra...

O filme também cansa (pelos motivos citados anteriormente) e o roteiro ainda nos brinda com aquele excesso de finais. Tem no mínimo uns 4 desfechos, e a história de fato não acaba. E pra finalizar, também não concordo com a teoria do autor. Ele não se decide quem é o seu anjo ou o demônio. Ciência ou religião? Hora um é vilão, depois a história muda de figura, e no final ele conclui com um “não somos anjos”. Olha, essa teoria de que um não pode andar sem o outro a mim não convence muito. Eu definitivamente não tenho argumentos para discutir ou problematizar (e detesto o assunto), mas os apresentados no filme também não convencem.

Dessa vez eu não posso dizer quem é melhor ou pior, se o filme ou o livro. Mas eu posso dizer que esse filme é melhor que “O Código Da Vinci”. É um bom filme de ação, tem um bom ritmo, mas a lavagem cerebral de fundo me incomoda, como já falei. Provavelmente se eu tivesse lido o livro a minha opinião sobre ele seria outra, certamente teria apreciado mais a obra literária, mas a história do “Código” me pareceu muito mais interessante, apesar do filme ser mais fraco. E acho que essa dúvida deve persistir, já que o filme não me despertou interesse pelo livro.

4 comentários:

  1. O nome do filme poderia ser: Me faz de otario novamente!

    Essa formula cansa, sr. Dan Brown, da para o senhor fazer algo diferente?

    Prefiri a historia do "Codigo" pois eu nao acredito nessa de anjos e demonios...

    ResponderExcluir
  2. eu quero ver mais por causa da polêmica com o Vaticano. Qlqr coisa que balance aquela estrutura erguida em cima de mentiras me apraz. Beijos, vi.

    ResponderExcluir
  3. Eu me senti de volta aos 7 anos, quando nas férias ia para o hotel fazenda com minha avó, e a CIA DO LAZER divertia os pequenos com caça ao tesouro. Uma pista atrás da outra atrás da outra excessivamente cansativo, para ao final descobrir um tesouro sem graça! Nao vale o esforço de prestar atençao nas dicas históricas e tentar adivinhar qual a proxima igreja, quando é obvio que voce nao vai saber...

    ResponderExcluir
  4. Beeeeeeeeem,
    todos que conheço que leram "O código da vinci" e "Anjos e Demõnios" falam que o segundo é bem melhor que o primeiro!

    Ainda não li esse livro nem vi esse filme, mas li e vi "o Código da Vinci" e devo dizer que amei o livro tanto quanto odiei o filme. e olhe que eu fui ver o filme sabendo do que se tratava!

    E imagino que com "Anjos e Demônios" o mesmo ocorra, pois são livros que tem o mesmo estilo e rítmo. Quem leu os dois fala que o "O Código da Vinci" é continuação do "Anjos e Demônios".

    Quanto às verdades e mentiras, o próprio Dan Brown avisa que criou uma história de ficção usando elementos históricos. Ele avisa nos 2 livros.
    A não ser que ele faça parte dessas instituições sigilosas das quais ele trata nos livros (Teoria da Conspiração).

    Os 2 livros são muito intensos e com muitas informações, então fica meio difícil de alguém jogar todas essas informações todas de uma vez em um filme com apenas 3h de duração! Talvez fosse melhor fazer 2 filmes para cada livro!

    Enfim, no "o Código da Vinci" fiquei muito irritada, portanto estou com receio de assistir "Anjos e Demônios". Depois que eu ler o livro decido se assisto ou não!

    bjuuus Fefu!

    ResponderExcluir