quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Seção CINEMA // Crítica O Casamento de Rachel

Acontece Nas Melhores Famílias

O Casamento de Rachel // Rachel Getting Married

Nota: 8,5

Geralmente atores comerciais só são levados de fato a sério quando fazem filmes menores, normalmente independentes, em que eles possam mostrar que têm talento para fazer mais do que Blockbusters e comédias românticas. Isso se aplica mais às atrizes também. Foi assim com Charlize Theron, por exemplo, e agora com Anne Hathaway. Depois de O Diabo Veste Prada, O Diário da Princesa, Agente 86, ela resolveu partir para um filme menor, mas com um conteúdo mais denso. Ela até já fez, Brokeback Mountain, mas definitivamente não era o tipo de filme para ela se destacar.

Outro atrativo é o diretor Jonathan Demme, que fez dois filmes que eu adoro: Filadélfia e O Silencio dos Inocentes (um dos raros casos onde um filme leva os 5 prêmios mais importantes no Oscar, Filme, Diretor, Ator, Atriz e Roteiro), além da presença da Debra Winger, que eu adoro em Laços de Ternura, e saiu de cena ultimamente. Bom, o filme é sobre uma ex-modelo drogada e atormentada que deixa a reabilitação por um fim de semana para ir para o casamento da irmã mais velha, onde a gente vê um retrato do que é o seu relacionamento familiar, tumultuado com as conseqüências do seu vício.

O filme é interessante e tem seus altos e baixos. Os baixos, pra mim, são definitivamente a festa. Apesar de o noivo ser negro, e ter todo o contexto anti-racismo implícito, tem muita cena de casamento que não acrescenta muito. Isso me lembrou muito o clássico O Franco Atirador, onde a primeira metade inteira é um casamento. E a outra parte pra mim foi tão desinteressante quanto o casamento... Aqui o caso é diferente. E o casamento é uma bagunça. Tem aquela tradição deles das madrinhas usarem o mesmo vestido, e elas usam sári (vestido típico indiano). Uma bandinha aparentemente irlandesa toca o filme inteiro. Depois toca reggae, hip hop, bossa nova, e ainda aparece uma bateria de escola de samba com umas passistas. Uma verdadeira globalização. Eu já estava esperando entrar Silvio Santos com o seu Ritmo de Festa, ou então, Hot Hot Hot. Não dá pra entender se a festa era pra ser temática, se era para ser essa confusão mesmo, se eles julgam que tudo isso combine perfeitamente ou que tudo seja a mesma cultura.

Os altos com certeza são as cenas da família, onde os conflitos entre eles vão surgindo por todos os lados. Nessa parte me lembrou muito outro clássico, Gente Como A Gente, do Robert Redford, inclusive a Debra Winger tem um papel muito semelhante ao da Mary Tyler Moore, só que bem menor. E a principal diferença entre os dois filmes é que aqui ninguém é vilão, ninguém herói. São todos humanos cheios de defeitos que cometem erros. Anne é egocêntrica e mimada. A irmã que se casa tinha inveja do “sucesso” como modelo da irmã, virou bulímica e também se incomoda com a necessidade de atenção eterna dela, que provavelmente a deixou à sua sombra a vida toda. Isso daí já lembra um pouco outro clássico, O Que Terá Acontecido a Baby Jane?, mas numa versão muito menos doentia. A mãe que não consegue conviver com todos os problemas e o pai que tenta manter alguma união. Aí as semelhanças já voltam com Gente Como A Gente.

Outra parte interessante é como o filme mostra que as drogas são um caminho sem volta. A morte quando vem é trágica, mas como fica a vida dos que sobrevivem, que ficam depois na luta eterna para ficar sóbrios? Para onde eles vão? Todo mundo quer sair da reabilitação, um lugar pesaroso e doloroso, que ninguém gosta. Mas voltam para um lar normalmente desestruturado (porque quem se envolve com drogas não só estraga sua vida, mas a de todos ao seu redor), onde a convivência é dificílima, e em geral acabam voltando para o mesmo meio que os levaram ao vício. É preciso muita força de vontade para mudar de vida realmente. O depoimento de uma personagem fala bem sobre isso numa das reuniões da Kym (Anne).

O filme recebeu uma indicação ao Oscar, de melhor atriz para Anne. E é dela o melhor desempenho das cinco indicadas. Só acho melhor a Kate Winslet em Foi Apenas Um Sonho, mas o filme foi desprezado pela academia e ela foi indicada por O Leitor, já que holocausto é um tema que agrada muito mais aos poderosos judeus da indústria cinematográfica do que a hipocrisia de vida que é vendida para as pessoas nos subúrbios americanos como a receita da felicidade. O prêmio deve estar entre as duas, com a Meryl correndo por fora.

Um comentário:

  1. Eu gosto muito da Anne, e acho que ela transita bem entre o pop e o cult. A personagem dela em Brokeback é pequena, mas forte, difícil não lembrarmos de sua última cena no filme. Acho que eu gostaria deste Casamento (o filme, não a cerimônia). Me fez lembrar pieces of April. Vc viu? Acho que esse multiculturalismo também deve ter uma tinta de auto-crítica em relação aos discursos de tolerância encampados pela cultura de nosso tempo, onde a manifestação da identidade é discutida em cotas. É um filme que tem tudo pra eu gostar. Continuo torcendo pela Kate, mas, como vc, não tenho muita empolgação por O Leitor...
    Ah, e a Debra envelheceu linda, sem plásticas grotescas. Ponto pra ela.
    beijos!

    ResponderExcluir