quarta-feira, 16 de julho de 2008

Seção CINEMA // O Homem Morcego

Matar de Rir é o Melhor Remédio

Batman – O Cavaleiro das Trevas // The Dark Knight

Nota: 9,0

Ganhamos no trabalho ingresso pra pré-estréia do novo filme do Batman. Com direito a pipoca e refrigerante. Coisa ruim... Fomos todos juntos ver o filme. Sempre assisti filmes de super-heróis. Sempre gostei deles também. Mas vendo a devoção de tantas outras pessoas pelo gênero eu só posso deduzir que não sou exatamente fã. Acho que a melhor definição seria simpatizante. Vi todos os filmes do Batman e esse talvez seja o que eu mais tenha gostado. Pra ser sincero não lembro mais do enredo de nenhum deles, só do elenco e dos vilões de cada um. E dos diretores também.

Dessa vez volta o Coringa, que esteve no primeiro filme, nos anos 80, feito pelo Jack Nicholson. Aqui ele é feito pelo falecido Heath Ledger. O Heath é um caso a parte que no final eu falo melhor sobre ele. Na história o Coringa se oferece à amedontrada máfia de Gotham City para matar o Batman, para que eles possam continuar seus crimes como outrora. O filme é continuação do Batman Begins, e tem praticamente o mesmo elenco. A ausência é a Katie Holmes, que deve ter sido proibida de fazer a produção pelo seu marido, o biruta-mor de Hollywood, Tom Cruise. Talvez tenha sido pela gravidez também, mas acho que a produção foi feita depois de ela dar a luz. Sabe-se lá. Enfim, ela foi substituída pela Maggie Gyllenhaal (irmã do meu sósia Jake Gyllenhaal, como vocês podem ver em alguns posts mais abaixo), que fez Sherrybaby, O Sorriso de Monalisa, etc.

Duas coisas me chamam atenção no filme. A primeira: Qual pessoa em sã consciência moraria em Gotham City? A cidade é um verdadeiro celeiro de loucos. Maior concentração de alucinados violentos por metro quadrado. Talvez seja uma representação sucinta da sociedade americana. A mesma pergunta eu me fazia ao assistir Power Rangers. Quem moraria em Alameda dos Anjos? A cidade é destruída todo santo episódio.

Segunda: O verdadeiro herói de toda essa saga é o Alfred, feito pelo consagrado Michael Caine. Ele deve ser extremamente bem pago. É um mordomo cultíssimo, que administra toda a vida do patrão, arruma a casa, cozinha, lava e passa o terno de metal vampiresco Gucci do Christian Bale (vulgo Bruce Wayne), faz a manutenção da parafernália tecnológica lá, faz a revisão do batmóvel, recita filosofia aos 4 ventos, é terapeuta do nosso herói e tudo isso mancando de uma perna. Eu quero ser assim quando eu crescer!

O mais importante de tudo é que o filme diverte, dentro do universo proposto pela história. Tudo que Indiana Jones 4 deveria ser e não é. Eu achei esse um tanto mais sombrio, com menos humor e mais dramático que todos os outros, especialmente o primeiro da era Tim Burton e o pior de todos lá, o que tinha a Hera Venenosa. Talvez um estilo mais parecido com Batman, O retorno. Eu lembro que vi esse filme no cinema quando criança. Fiquei com medo e fiz minha mãe sair da sala comigo logo no começo. Depois a gente ficou horas esperando meu pai e meu irmão saírem do filme. Talvez se eu assistisse esse naquela época eu teria pesadelos horríveis.

Heath Ledger

Esse foi o último filme feito pelo australiano antes de ele sofrer a overdose acidental de medicamentos. Dizem que ele ficou realmente perturbado fazendo o filme, que o vilão exigiu demais dele. O que se pode dizer é que o resultado do trabalho dele é excelente. A melhor frase do filme vem dele. Na verdade está impressa em um carro dele. Matar de rir é o melhor remédio. E o humor ácido, negro desse Coringa causa essas reações no público.

Ele realmente soube como não se comparar com o trabalho do Jack Nicholson. O seu Coringa é mais sarcástico e cruel. É mais frio e sempre a beira do colapso nervoso. Da real loucura. Claro que combinando perfeitamente com o clima dessa produção do Christopher Nolan, que é muito mais gótica do que a do Tim Burton, que era mais caricata, menos caótica e tinha mais humor. Ambos estilos louváveis. Ambos são releituras diferenciadas da HQ. Só acrescentam e enriquecem a obra. E o Heath tem seus méritos claros nisso.

Sua interpretação é a melhor do elenco. Tanto que muitos críticos já o apontam como possível vencedor do Oscar de coadjuvante próximo ano. Ele dá vida ao filme. A gente sempre espera ele reaparecer pra ver o que ele tem pra aprontar. E normalmente é essa a característica principal do trabalho do Heath. Eu adorei tudo que ele fez, desde os mais bobos como 10 Coisas que Eu Odeio em Você e Coração de Cavaleiro, como os mais sérios como Brokeback Mountain e A Última Ceia. Talvez o melhor profissional da sua geração. Provavelmente ele agora será lembrado como um James Dean contemporâneo, mais um jovem talento que se perde nas perdições da indústria.

Seção CINEMA

Fim da Picada

Fim dos Tempos // The Happening

Nota: 6,0

Novo filme do M. Night Shyamalan, que foi de anjo a demônio por fazer O Sexto Sentido a Sinais e Dama na Água. A Vila fica na média. Seus filmes se caracterizam pelo suspense e mistério e final surpreendente. Funcionou nos dois primeiros filmes, mas parece que a fonte se esgotou, mas ele continua insistindo. E seus filmes dão bilheteria, porque aguça a curiosidade do público sempre a espera de um novo O Sexto Sentido que nunca vem.

Antes de ver esse filme muitas pessoas me comentaram sobre ele. Falaram tão mal que eu esperava bem menos. Acho que o que incomoda a maioria das pessoas que viram o filme é o desfecho da história. O filme é sobre uma espécie de epidemia que ataca o nordeste dos EUA que transforma as pessoas afetadas em suicidas instantâneas. As causas e forma de disseminação do acontecido são, como sempre, desconhecidas.

Eu não achei um bom filme, mas não achei péssimo. Pareceu-me uma idéia interessante, porém mal aproveitada. O fim poderia ser o mesmo, mas com um desenvolvimento diferente a história poderia ser mais instigante. Provoca poucos sustos e diverte pouco também. E eu adoro filmes catástrofes. Essas situações caóticas e apocalípticas sempre me atraem (no cinema).

O título original “The Happening” (em português, O Acontecimento) é bem mais interessante. Fim dos Tempos lembra filme do Schwarzenegger, e o filme na verdade é mais fim dos EUA mesmo... Outra coisa interessante é que novamente Hollywood promove catástrofes no solo ianque. Isso só prova que eles são os grandes terroristas deles mesmos.

Mark Wahlberg, que foi indicado ao Oscar por Os Infiltrados no ano passado, protagoniza o filme e não faz nada demais nele. O papel não exige grandes coisas. Nem o filme... Ainda temos Zooey Deschanel coadjuvante eterna de filmes medianos recentes como Armações do Amor, Ponte para Terabítia e O Assassinato de Jesse James...


Maldita Sorte

Jogo de Amor em Las Vegas // What Happens in Vegas...

Nota: 6,0


Eu ia ver Sex and The City. Lotou! Decidimos ver Paixão Proibida. Lotou também. Acabamos vendo mais uma comédia romântica batida com dois protagonistas carismáticos, porém chatos. Eu não consigo nutrir nenhuma empatia pelos dois atores. A imagem que eles me passam é de infantilidade e futilidade. Talvez por isso o Ashton era perfeito como Kelso em That 70’s Show. Ali eu gostava dele... Já a Cameron é uma ótima atriz. Mas só faz filme ruim. Uma coleção! E um atrás do outro. E a mídia tenta a convencer a gente que ela é linda. Ela fica até bonita super produzida, mas dando aquela sensação de que se está tudo prestes a desmoronar. Se cair uma gota d’água ali a carruagem vira abóbora.

O filme é clichê como todas as comédias românticas. Dois desconhecidos se encontram em Las Vegas e tomam todas e se divertem muito tentando esquecer suas frustrações momentâneas. Só que eles acabam se casando sem ao mínimo se conhecerem direito. Coisa de bêbado que acontece em 50% das comédias americanas e no seriado Friends. Só que após uma discussão no dia seguinte, eles acabam ganhando uma fortuna em um cassino, mas só podem ver a cor do dinheiro se mantiverem uma relação conjugal saudável por seis meses. Só que cada um tirar proveito da situação e ficar com tudo. Fica a briga pra ver quem fica com a bolada. As piadas variam entre o pateta, o escatológico e o óbvio, e o final, não precisa contar porque já tá escrito nas estrelas. Os nos roteiros de outros filmes mesmo...

terça-feira, 8 de julho de 2008

Seção ALUCINÓGENOS // Separadas ao nascer

Miss Universo próximo, todas as candidatas reunidas no Vietnã. A final será nesse domingo dia 13 de julho. A grande favorita é a Miss Venezuela. Linda! A Miss Brasil vai a passeio... Pelo menos ela vai conhecer o Vietnã e vai fazer muitas amigas!!!

Bom, já que as candidatas estão lá, a gente pode ter noção do que elas são de verdade. As fotos antes do concurso normalmente são cheias de photoshop e elas são bem diferentes. Algumas melhores, outras piores. Com base nas fotos, vamos às comparações!!!

Com quem elas se parecem:












Albânia x Brigitte Nielsen
A Albanesa tem um dos rostos mais belos e um dos cabelos mais inusitados. Parece com a ex-mulher do Stallone, a modelo dinamarquesa Brigitte Nielsen, que se fez famosa nos anos 80 como mulher do Conan, O Bárbaro, ou coisa parecida. Não sei ao certo. As duas são irreverentes.













Elle MacPherson x Austrália

A australiana é das mais bonitas e modernas do concurso. Parece com sua compatriota Elle, uma das maiores modelos dos anos 90. Elle até fez Friends, onde namorava o Joey, e Batman & Robin.













Bélgica x Angélica

Só faltou a pinta na coxa... E o táxi...
Linda a belga. Uma das minhas favoritas.













Brasil x Zezé Macedo
Ela é a cara da Biscoito! Vocês devem se lembrar dela da Escolinha do Professor Raimundo, que ela fazia a Dona Bela, a puritana que dizia: Vocês só pensam naquilo!













Cazaquistão x Michelle Branch

Pra mim ela lembra muito essa cantora americana.













Luciana Gimenez x Colômbia

A colombiana (chatinha como ela só) lembra uma jovem Luciana (chatinha como ela só).













Croácia x Carina Beduschi
Achei as duas bem parecidas. Carina foi Miss Brasil 2005 e hoje em dia é modelo.













Amy Lee x Egito

A egípcia lembra a vocalista do Evanescence. Mas só quando está super produzida. Normalmente ela é bem pior.













El Salvador x Madonna

Uma versão insossa da Madonna dos anos 80.













Molly Ringwald x Eslovênia

Molly foi estrela de filmes adolescentes nos anos 80, como Clube dos 5, Gatinhas e Gatões e A Garota de Rosa-Shocking. Adoro todos. O formato do rosto, o sorriso, os olhos pequenos, as bochechas. Achei bem parecida com a eslovena.













Miss EUA é uma incógnita. As vezes acho a cara da(o) Ru Paul.













Quando prende os cabelos, com a Beyoncé. Tão brega quanto, mas a miss tem as pernas finíssimas e 0 (zero) bunda. Além do peitão de silicone.













E quando o cabelo tá solto é o Predador!













Marion Cotillard x França
A francesa me lembra a Marion, atriz compatriota que ganhou o Oscar esse ano por Piaf.













Amy Winehouse x Geórgia
Não acham não?
Talvez a Janice de Friends?













Hungria x Lisa Kudrow
É a Phoebe de Friends! Toda!













Elizabeth Hurley x Kosovo
Lindíssima. Parece a Liz Hurley. Mas ela tem um bocão e às vezes lembra Angelina Jolie.













México x Katie Holmes
As vezes me lembra a Mrs. Cruise. Essa foto é um dos casos.













Alice x Montenegro
Quem nasceu até os anos 80 com certeza viu o desenho do Popeye e deve se lembrar da Alice, a Grande. Pois ela voltou! E no Miss Universo com a faixa de Montenegro.













Avestruz x Panamá
Que carinha de passarinho viu!













Peru x Sarah Ramirez
Sarah faz o seriado Grey's Anatomy. A peruana me lembra dela. As duas são grandes, corpão largo, estilão latinona voluptuosa.













Rússia x Adriana Lima
A russa quando bem produzida me lembra a top model baiana.


Para fotos das demais candidatas, visite o site oficial:
www.missuniverse.com



UPDATE: A venezuelana Dayana Mendoza de fato venceu o concurso, como eu previ. Segundo lugar - Colômbia, terceiro - Rep. Dominicana, quarto - México, e quinto - Rússia.
Top 10 - Austrália, Itália, Kosovo, EUA e Espanha.
Top 15 - Vietnã, Japão, Hungria, África do Sul e Rep. Tcheca.