segunda-feira, 23 de junho de 2008

Seção ALUCINÓGENOS // Entenda a onda das mulheres-frutas

Achei esse texto e gostei muito. É daqueles que eu fico puto por não ter sido eu quem escreveu. It's written me all over it.

Fonte: http://www.tvcanal13.com.br/noticias/entenda-a-onda-das-
mulheres-frutas-26544.asp



Hoje em dia a moda é ser sustentável. De repente, todo mundo resolveu falar do planeta: é loja de computador que planta árvore, é banco que planta árvore, é mercearia da esquina que planta árvore. Parece até que o problema do mundo é só a falta de árvores.

- Minha empresa acabou com as espécies de leão marinho do mundo, poluiu 6 oceanos e traficou escravos. Mas a gente plantou 34 amendoeiras.

Aliás, isso pode até criar um problema ainda maior: falta de espaço físico. Percebo que o mundo é hipócrita quando vejo uma petrolífera fazendo campanha de planeta sustentável. Podiam em vez de plantar árvores, não despejar milhões de litros de óleo no mar, mas não! A moda é falar de natureza, então vamos plantar árvores.

Bom, pelo menos é uma moda boa. E como toda moda, tinha que chegar nas mulheres. Perceba como hoje até elas já são sustentáveis. Na minha época de garoto, a moda era a mulher-bunda. Tinha a Carla Perez, a Sheila Mello, a Sheila Carvalho... Passou um tempo, a moda era mulher-fantasia. Surge então a Enfermeira do Funk, a Ninja do Funk, a Índia Aigo, a Feiticeira e Tiazinha. Agora, com a moda da sustentabilidade e do mundo natureba, quem surge? Mulher melancia, mulher jaca, mulher melão, mulher samambaia. O que, alias, é um paradoxo: se a idéia é ser natural, por que quase todas têm silicone?

É impressionante como essa moda da mulher-fruta está pegando por aqui. Antigamente, a mulher que destacava o Brasil era a Carmen Miranda que colocava fruta na cabeça. Agora, a idéia é descer a fruta para bunda, peito, coxa. O que é bom pra quem quer lucrar em cima: o feirante da barraca da melancia deve dar graças a Deus por esse merchandising gratuito. Imagina o que deve ter de marmanjo pensando:

- Putz, que vontade de comer melancia.

No mínimo é incentivo pra população encher a despensa com coisas naturais. Mas logo, logo as indústrias descobrem essa mídia gratuita e lançam a Mulher Lazanha Sadia, a Mulher Requeijão Itambé e a Mulher Pizza semi-pronta Perdigão.

O que acho mais cômico é que existe fruta pra cada tipo de fetiche. Você gosta de bunda? Tem a melancia. Mulher Melancia. Você gosta de peito? Tem o melão. Mulher melão. Você gosta de cérebro? Tem a pêra. Marília Pêra. É mulher para todo mundo. Gosta de mandioca? Tem as mulheres do Ronaldo. Agora, se você está por fora dessa onda natural e prefere coisas mais artificiais, sem problemas: tem a Ângela Bismarchi.

A outra vantagem é que, com fruta, não existe associação se achando desrespeitada como acontecia com as enfermeiras. O máximo que pode acontecer é algum feirante se sentir desprestigiado. Penso no vendedor de graviola entristecido por ter escolhido a fruta errada. Alguns até esperançosos, imaginando um atributo a sua fruta.

A Mulher Laranja, por exemplo, poderia ser a mulher do estelionato. Poderia ter várias empreiteiras enquanto rebola. Talvez a Mônica Veloso dançando, não sei.

A Mulher Banana poderia ser a submissa. Entra no palco para dançar enquanto o cantor já está se atracando com outras mulheres. No fim, ele entrega a roupa suja e ela lava sorrindo.

A Mulher Kiwi poderia resgatar a Lacraia: peluda por fora, mas fruta por dentro.

Mulher Pêssego, estilo Sandy. Delicadinha, frágil, rostinho angelical. Não rebola e usa burca durante as apresentações de funk. Ou melhor, música clássica.

Mulher Abacaxi, poderia ser a dançarina de TPM. Sempre reclamando, sempre xingando, sempre querendo atenção do MC. No final, sai do grupo e processa os integrantes, levando tudo.

Por fim todas poderiam se reunir e montar um grupo: SALADA DE FRUTAS. Ou para fazer mais sentido com a rima: SALADA DE… Ah, deixa quieto!

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Seção ALUCINÓGENOS // Os feios que me perdoem, mas beleza é fundamental!

Descobri na net um site que a gente coloca uma foto nossa e ele analisa os traços do nosso rosto e dá resultados de celebridades parecidas conosco. Lógico que cada foto que temos, os traços diferem um pouco dependendo das nossas expressões e os resultados podem variar. Na curiosidade, eu me testei pra ver o que é que dava:

E eis que deu o ator Jake Gyllenhaal! Com 70% de traços semelhantes.

Seguido dos atores Ryan Phillippe (63%), Gael Garcia Bernal (60%) e Freddie Prinze Jr. (59%). Deu até pra fazer uma transformação entre o meu rosto e o do Gyllenhaal.

Tentei outra foto.

Deu o ator Ricky Ullman e o jogador de futebol americano Tom Brady, namorado da Gisele Bündchen. Ou seja, eu sou lindo de morrer! E se eu fosse uma mulher? Com quem eu seria parecido?

Até se eu fosse mulher eu ia ser belíssima! Olha só! Audrey Hepburn, a diva do cinema dos anos 50 e 60 e a Miss Universo 2005 Natalie Glebova.

Aí eu resolvi fazer o rosto de todo mundo de lá de casa. Coloquei uma foto do meu pai.

O resultado foi esse senhor aí, Bobby Charlton, que eu nunca tinha ouvido falar. A wikipédia velha de guerra entrou em ação e me disse que ele é um ex-jogador de futebol inglês. Hmmm... Eu não ia saber nunca!

Seguido de 3 atores: O escocês Gerard Butler, o americano John Cusack e o irlandês Peter O’Toole. Coloquei foto do meu irmão.

Deu Julia Stiles, a atriz americana. Seguida desse Patrick Stump que eu não conhecia por nome. É o vocalista da banda emo Fall Out Boy. Os outros resultados foram engraçadísismos:

Ou seja, em caso de continuação de Friends, ele tá no elenco com certeza! E agora o mais engraçado foi o da minha mãe!!! Coloquei uma foto atual dela. Resultado:

Jackie Joyner Kersee, a corredora americana.

Seguida da atriz francesa Jeanne Moreau e do primeiro ministro israelense Ariel Sharon.

Os outros resultados foram mamãe e filhinha Osbourne, Sharon e Kelly, e a atriz inglesa Miranda Richardson. Resolvi tentar outra foto...

Deu Miranda de novo!

Seguida de Hugo Chávez (ahahahahhahahaha), o amiguinho do Harry Potter Rupert Grint, e o galã inglês Clive Owen. Então eu resolvi colocar uma foto dela quando jovem. Tinha tido a mesma idéia com o meu pai, mas eu nem tinha nenhuma aqui comigo, e ele também não mudou nada, só ganhou alguns fios brancos. Os resultados foram:

A pantera Farrah Fawcett, símbolo sexual máximo dos anos 70. Acho que dessa vez ela gostou (ahahahahahaha).

Seguida das atrizes Kate Hudson, Julia Roberts e Julianne Moore. O que é que alguns quilinhos não fazem...

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Seção CINEMA // Indiana Jones

...no Reino da Bola de Cristal

Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal // Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull

Nota: 5,0

Os anos 80 realmente foram ótimos pra cultura pop. Se eu pudesse voltar no tempo, era pra lá que eu iria. Eu adoro a trilogia Indiana Jones. Valendo-se da máxima que nada se cria tudo se copia (que George Lucas deve ser fiel seguidor, porque ele não pára de lançar quinquilharias de Star Wars), decidiram continuar a trilogia, e cá entre nós, se é pra reviver o passado desse jeito eu prefiro escutar Flashback ou Momentos de Amor na rádio.

Bom, o tal do Indiana é o supra sumo da supervalorização ocidental, do machismo, racismo, homofobia, capitalismo e todo e qualquer outro valor republicano que existe na face da terra. Se ele fosse de verdade, acho que ele seria o Arnold Schwarzenegger. Talvez ele fosse um pouco mais inteligente. Talvez fosse o Bush, só que musculoso. Mas deixando isso de lado e levando o filme pra diversão, não há como não se divertir. Os filmes são um excelente entretenimento. Só que dessa vez não deu. Principalmente pra mim que já vi o Harrison Ford num avião esse ano e ele tá velho, só falta uma bengala. Não dá pra engolir ele fazendo aquelas estripulias todas. Pior só vendo filme do Didi.

E dessa vez ainda tocaram num tema que eu detesto no cinema americano, que é a tal da Guerra Fria. Hollywood ainda quer fazer propaganda anti-URSS a essa altura do campeonato? Tenha santa paciência! E podem até dizer: mas são os valores da época. Dá muito bem pra fazer um filme sem querer enfiar esses ideais na cabeça do público. São características das personagens, e não valores a ser propagados.

Tem americanos valentes e heróicos, soviéticos malignos, floresta amazônica, pré-colombianos não colonizados retardados e malévolos. Nada estereotipado, não? E diante disso tudo ainda foram meter ET no meio? Spielberg deve ter taras eróticas violentíssimas com alienígenas. Não é possível! E o filme ainda é previsível de cabo a rabo, característica que não existia nos outros três filmes. Mesmo depois de escorregar em casa fazendo faxina e ter jogado a minha bola de cristal janela abaixo, dava pra se adivinhar tudo o que estava pra acontecer. E pra coroar o excesso de abobrinhas, ainda me colocam as cataratas de Iguaçu no meio da Amazônia. É mole? Depois de tudo nem o cabelo escovinha de chocolate do Shia LaBeouf me incomodava. Acho que não tirei um cochilo tão grande no cinema desde O Senhor dos Anéis...