quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Seção CINEMA // Crítica Crepúsculo

Traídos pelo Desejo

Crepúsculo // Twilight


Nota: 8,0

A nova sensação literária adoles- cente não poderia deixar de virar um filme. Engraçado como os livros para esse público alvo sempre tem seres esquisitos como tema central. Elfos, hobbits, vampiros, bruxos com coruja de estimação, gnomo, fada-madrinha, ogros, Michael Jackson, e assim por diante. O livro conquistou o mundo e sua estréia já era aguardada ansiosamente pelo público. Isso foi mostrado pela bilheteria que o filme já arrecadou. Eu nunca tinha ouvido falar no livro até pouco tempo antes da estréia do filme. E mesmo se tivesse ouvido, provavelmente não teria lido o livro. Detesto ler coisas longas...

Bom, a história é sobre um amor proibido. Será que já falaram sobre isso? Algumas vezes... Bella (Kristen Stewart) é uma menina que decide ir morar com o pai para que a sua mãe possa acompanhar o padrasto esportista. Ela muda de cidade e de vida, vai para um vilarejo nublado e chuvoso (achei lindo, adoro lugares assim, e adoro chuva), e lá se apaixona pelo esquisitão-mór da cidade (Robert Pattinson), que ninguém sabe que é vampiro. Só a gente que sabe. Eu se morasse lá iria achar que ele era zumbi, com todo aquele charme de morto-vivo com olhar de bêbado. Na sessão que eu estava, tava cheio de adolescente. Todas as vezes que o galã-vampiresco aparecia era aquela comoção. Miados, latidos, grunhidos, mugidos, suspiros e tudo mais. Eu sinceramente não sei o por quê disso. O ex-bruxo de Harry Potter é o contrário daqueles esqueletos que eu montava na infância. Ambos são da cor da parede, mas ele brilha no sol, não no escuro como as minhas caveirinhas. E tem uma expressão só o filme inteiro. Em qualquer circunstância. Aquela de quem levou um pum de elefante na cara ou acabou de descobrir que comeu um bolo cheio de veneno de rato. Vibe Keanu Reeves totalmente detectada.


O filme teve um baixo orçamento para o gênero. Bem diferente de outros do gênero, tipo Harry Potter e O Senhor dos Anéis. Isso dá pra notar na maquiagem dos vampiros, porque o pancake só tem no rosto. O pescoço é de outra cor. O batom deve ser 24 horas pra durar várias cenas. Além dos efeitos especiais serem da mesma qualidade que De Volta Para o Futuro, de 23 anos atrás. Se não forem piores.

Cada filme de vampiro mostra o comportamento desses seres de uma maneira diferente. Aqui existem os bons (que são os "vegetarianos", ou seja, se alimentam de sangue animal. E desde quando animal é vegetal?) e os maus (os que matam gente pra se alimentar). Sinceramente, essa dicotomia era mais interessante e divertida na novela Vamp. Não tem nenhum vampiro lá carismático como a Natasha e o Vlad. E a Cláudia Ohana é muito mais sexy (e cabeluda também, creio eu) que a vampira invejosa lá que era pra ser a mais linda de todas as galáxias. Se ela fosse pro Miss Universo não ia ser nem semifinalista.


Apesar das ironias, o filme é interessante. Até a metade eu gostei muito. O romance é legal, pelo conflito interno que ele gera no casal. Aquela velha coisa de saber lidar entre o que você quer fazer, e o que é certo fazer (se é que isso existe). Isso poderia ter sido muito melhor abordado, by the way. Dá pra fazer uma metáfora com situações reais, tipo, como seria um romance entre uma aristocrata americana e um homem-bomba muçulmano. Ok, nem tão real assim...

Mas como o filme é pra adolescente, e é de vampiro, tem que ter ação, pra donzela poder entrar em risco, e o vampiro-encantado (encantado mesmo, porque a cara de deslumbrado é perene) ir salvar. Só que a ação dura 15 minutos, acaba muito fácil, os efeitos especiais são de deixar Ed Wood morto de vergonha e é tudo muito sem graça, resumindo. Quebrou o clima de antes. O final é sem gracinha, mas é porque vai ter continuações, então ele fica sempre aberto. Pelo menos a música da última cena é legal. Eu quero muito ver o resto. Será que em algumas dessas seqüências ela vai envelhecer, ficar com 46 anos e ele vai continuar forever young?


No final das contas, eu me pergunto, qual é a graça de se namorar um vampiro? Um donzelo, que nunca vai poder fazer as mesmas coisas que ela. Não comem, dormem, não descansam, não envelhecem (tá! Muitos dariam de um tudo por isso...), não morrem, não transam. Não trepa, nem sai de cima. E é exatamente o que ela faz com a protagonista. No primeiro contato físico mais intenso entre os dois, ele teve que se afastar pra não lhe tascar uma dentada. Que coisa mais insossa. Então o romance ia se resumir a trocas de juras de amor e olhares com cara de besta um pro outro. Rala e rola, que é bom, nem pensar. Acho que ele nem deve ter ereção, já que vampiro não se reproduz por sexo, então pra eles não tem serventia alguma.

9 comentários:

  1. Oi, Vitor! Não achei sua crítica muito parecida com a minha, não. Talvez a última parte... Mas eu gostei do filme mais que vc, não?
    E aí, como vc viu Milk? Tô louca pra ver! Não vai chegar a minha cidade de jeito nenhum. Vou ter que ir pra Curitiba assistir...

    ResponderExcluir
  2. Eu adorei sua crítica V. Mas, vamos comentando. Eu tive minha fase 15-anos-fascinada-por-vampiros. Acho que é nesta idade que nos apaixonamos por mitos. Seres belos, fantasiosos, distantes e estranhos. Espíritos livres vagando pela vida afora, sentindo-se 'diferentes' - qual adolescente não passa por essa sensação de estranheza e não pertencimento? Então, se eu fosse uma escritora de best sellers que quisesse algo apelativo para o público teen, é bem provável que escolhesse vampiros. Vc lembra da fala do personagem em que ele diz que tudo nele é atrativo: a voz, o cheiro, a pele. Isso é de pirar o cabeção, eu só não gritei junto pq há mais de 15 anos não tenho 15, o namorado não entenderia tampouco. E achei o cara beeeem gato, o vampirão lá, nuossa. E sobre o vampiro como um ser assexuado, nãooooo, por favor! A mordida no pescoço nada mais é que uma metáfora do orgasmo - aquela onda de prazer extremo que provoca no vampiro e na vítima. A sede de sangue é puro tesão. E lembre-se, ereção é só parte de nossa sexualidade, pq o sexo tá no corpo inteiro. O cara fica louco com os feromônios da menina - quer coisa mais sexual que isso? Por isso vampiro faz sucesso com adolescentes - especialmente garotas, aquelas a quem é aconselhado que não devem se 'entregar', pq trata basicamente de sexo. Hahaha. Beijões!

    ResponderExcluir
  3. Lola, acho que você mais do que eu sim! O filme é um chick flick. Feito por meninas, para meninas. O enfoque é bem feminino, assim como o lado erótico que a Dai citou acima. Homens já não acham tão interessante.

    ResponderExcluir
  4. vitor vc foi corrompido pelo mundo capitalista, onde as coisas acontecem sempre de forma rápida e fria. não deixe de ver beleza nas coisas simples da vida. Como não pode enxergar a pureza de um romance? porque precisa supervalorizar o sexual sobre o emocional? Neste mundo corrompido é isto que está faltando! Sensibilidade... as pessoas se perderam no mundo de hoje. Por isso esse filme faz sucesso: porque lembra o lado "humano" e sem interesses da vida!

    ResponderExcluir
  5. Dai, o filme é bem feminino mesmo. Por isso tantas meninas se identificam com ele. Acho que a história e como tudo é conduzido levam o público a crer que o vampiro lá é atraente, porque na verdade ele não é. Duvido que você iria nutrir sentimentos se tivesse estudado com ele, todo esquisito daquele jeito, com aquela cara de morto-vivo. Funciona no contexto, mas descontruindo tudo, ele é só esquisito. E mau ator também...
    Concordo com tudo que você falou em relação ao sexo, mas novamente é uma coisa mais envolvente para meninas. Convenhamos que aquilo tudo são longas preliminares, que normalmente se desenvolvem para a penetração. Mas no meio ele corta a onda para a fome dele não ser maior que a libido. Aí fica o impasse. O relacionamento ficaria nesse coito interrompido pra sempre?

    ResponderExcluir
  6. Ué Bia! Mas eu enxerguei a beleza da coisa, e disse que o melhor do filme é o romance! Tanto que a gente pode usar ele como metáfora para o mundo atual. A ação é que estraga a segunda metade do filme. Quanto ao sexo, como já diria o chato do Arnaldo Jabor, amor sem sexo é amizade. E segundo eu mesmo, ou é amizade, ou é namoro de pivete de 13 anos. Não sou tão insensível assim. Tanto que os filmes que eu gosto são os sensíveis, que têm um conteúdo mais denso, sobre relações humanas e geralmente me entedio com filmes cheios de explosões e efeitos especiais. O relacionamento de dois jovens de 17 anos evolui para o sexo mesmo. O filme mostra isso. Mas ela prefere esquecer isso e continuar o romance, aceitando ele da forma como ele é. É tudo muito bonito, mas sabemos que isso está bem longe da realidade. Sexo é importante para as pessoas e sem ele os relacionamentos não sobrevivem. Eu só fiz umas indagações sobre isso. São discussões naturais que o tema desperta. E usei o senso de humor para o texto ficar mais divertido de ler, já que o tema dá pano pra manga pra isso.

    ResponderExcluir
  7. Leia o livro!! Gostei da critica, mas faltou voce entrar no mundo do filme. Voce ficou de fora e nao captou muito bem a ideia do livro.

    ResponderExcluir
  8. Oia Eu aqui! No interior onde moro, aqui em Maceió, eu fui assistir ao filme hoje!
    Eu gostei do filme. Não vou mentir: estava cheia de preconceitos achando que era aquele velho tema batido de lutas com vampiros e lobos com um romance (apelo) no meio!

    Mas me surpreendi! Concordo que o filme é uma metáfora e que cai bem nos dias de hoje, quando a maioria se interessa pelo que o seu parceiro tem e não por quem ele é.

    Bem, concordo com toda a história do sexo que a"D." falou. E tenho minhas dúvidas se a visão é tão feminina assim. Pode até ser, mas simplesmente pelo fato de que homem não aguenta ver só as preliminares, a maioria, se pudesse iria direto ao assunto!

    Concordo que a atuação do cara não foi lá essas coisas, mas acredito que no fim ele mostra o porque: ele era uma pessoa que já não se envolvia nem convivia com pessoas de fora da sua "família" há muito tempo, tanto que no final ele começa a agir como gente!

    Bem, enfim, gostei do filme! Espero que o 2 venha logo pra gente ver se vai dar certo!
    bjuuus

    ResponderExcluir
  9. boa critica, gostei da direçao que tomou e como voce colocou as palavras, pensa como eu antes de ler o livro. sem querer soar como uma fã bocoio de quinze anos, digo que o livro passa muito mais da relação deles, como geralmente acontece nos livros, as coisas ficam muito mais convincentes e voce acaba torcendo pelo casal, nao sei da reproduçao de vampiros, mas os da meyer sao diferentes e talvez sejam nisso tambem, o caso é que no livro ele nao tem aquele ataque quando beija a bella, é tudo muito mais intenso e bem organizado, muitas perguntas que ficaram no ar vendo o filme sao respondidas com a leitura. a unica coisa que me deixou encafifada, foi o fato dela ser bastante clara quanto ao fato do edward estar morto (ok, no news here), sobre sua pele fria gelada, a respiraçao fria, a palidez (pela falta de sangue) as olheiras .. mas então nesse caso .. dele nao ter sangue, deduzo que ele nao possa ter uma ereçao! bem desanimador.

    E o robert pattison só sabe ser bonito, né, escola de artes keanu reeves sempre lançando novos rostinhos.
    com a leitura, consigo até imaginar que o tal edward deva ser mais bonito do que o pattinson, que não deixa nada a desejar nesse quesito.

    e sendo narrado sob a otica da bella, a garota apaixonada pelo vampirinho, aka personagem principal da trama, nao é de se estranhar a obsessao recorrente de tantas fãs pre adolescentes.

    queria uma versao do edward de toda a historia, duvido que alguem se apaixonaria pela bella, a chata.

    ResponderExcluir