domingo, 25 de maio de 2008

Seção CINEMA // Descendo a lenha! (Parte 2)

Corleone Afro-Americano

O Gângster // American Gangster

Nota: 6,0

Outra biografia. E outro tédio. O filme demora pra pegar ritmo e quando começa a ficar bom, a nossa paciência já foi pras cucuias. A história é sobre o primeiro traficante negro de NY, que vendia heroína puríssima importada do Vietnã (contrabandeada através do exército americano), a preço de banana nos anos 70.

Denzel Washington faz o papel título, Russell Crowe faz o policial mulherengo que investiga o tráfico e Ruby Dee faz a mãe do Denzell, num papel quase de figurante que lhe deu um SAG e uma indicação ao Oscar de Coadjuvante. Direção do veterano Ridley Scott, que fez sucessos como Gladiador, Blade Runner, Alien e Thelma & Louise. Só aí já dá pra ver que ele já fez coisas melhores.


Promessas Não Cumpridas

Senhores do Crime // Eastern Promises

Nota: 9,5

David Cronenberg, um dos mestres do cinema alternativo ataca novamente. Ele fez filmes muito cultuados como Gêmeos, Mórbida Semelhança, A Mosca e Scanners. Eu sinceramente adorei esse filme. O título brasileiro é muito imbecil e não faz jus ao filme. O título original, que seria algo como Promessas Orientais, soa muito mais instigante.

Bom, o filme fala sobre uma parteira (Naomi Watts) que procura o pai de uma criança cuja mãe no morreu no parto e acaba descobrindo coisas que não deveria e se envolvendo com a máfia russa em Londres. O filme é bem violento, mas é movimentado, tem uma história envolvente e coesa. No elenco, Viggo Mortensen (Marcas da Violência e O Senhor dos Anéis [eca!]), que foi indicado ao Oscar de Melhor Ator, e Vincent Cassel (Fora de Rumo e Doze Homens e Outro Segredo).


Toddinho Vencido e Tortas Antropofágicas

Sweeney Todd

Nota: 5,0

Eu esperava bem mais desse musical. Antes de vê-lo eu escutei logo a trilha sonora pra ter uma noção do que me aguardava. Pavorosa. Não tem uma música escutável. Aí dizem: mas o filme é todo cantado. Evita é um filme com muito menos diálogos e todas as canções são ótimas. Dá pra pegar o CD e escutar tranqüilamente. Já as canções de Sweeney só funcionam (e mal) vendo o filme. É uma idéia boa, mas mal executada. Escrachado e caricato demais. Perde a humanidade, e não diverte como deveria divertir nessa situação, nessa proposta de formato que é passada. Exemplos de produções que fizeram isso muito bem: Chicago, Mamãe é de Morte, Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos, o seriado Desperate Housewives em alguns momentos, e mais outras que não me vem à cabeça no momento.

O Tim Burton já fez coisas melhores. A Helena Boham Carter também. E o Johnny Depp, então, nem se fala...


Universos Desconectos

Across The Universe

Nota: 7,0

Resolveram aproveitar as músicas dos Beatles e fazer um romance ambientado os anos 60 em meio à Guerra do Vietnã. Resultado: Uma trilha sonora fantástica, mas que no filme não funciona bem. Elas juntas não conseguem contar a história que o filme propõe. Então o filme parece uma colagem de videoclipes, e com umas cenas perdidas, meio sem nexo, como a cena de I Wanna Hold Your Hand logo no começo, que não diz a que veio.

Apesar dos problemas citados acima, filme é bem feito, bem produzido, parte técnica impecável (cenários, figurinos, fotografia), com um elenco jovem (tirando as participações de artistas como Bono e Joe Cocker) e talentoso. Jim Sturgess (Quebrando a Banca) e Evan Rachael Wood (Aos Treze e Correndo com Tesouras) são os protagonistas.


Uma Lição de Amor

Juno

Nota: 5,0

Um dos indicados ao Oscar de Melhor Filme esse ano e muito injustamente comparado com Pequena Miss Sunshine. Talvez por ambos serem filmes independentes de baixo orçamento e que alcançaram sucesso. A roteirista do filme é a Diablo Cody, uma ex-stripper que escreve livros e agora roteiros para cinema. Tipo a Bruna Surfistinha. Ela levou o Oscar de Roteiro e fez um discurso bem esquisito. Parecia que estava tendo uma crise nervosa.

Bom, a história é sobre uma adolescente que engravida de um amigo pastel, e decide entregar o menino pra adoção. Achei o filme muito conservador. Anti-aborto, tem um final muito desagradável (apesar das caras de felicidade das personagens e da musiquinha bonitinha, o que termina por enganar o público) e passa um mal exemplo horroroso. Se você quiser ver o filme e que eu não estrague o final, não leia a partir daqui.

Bom, acho que ter filho é algo mais sério do que o filme mostra. A mensagem que eu captei foi “Tenham filhos. Se vocês não os quiserem, há sempre uma mal casada, mal amada que vai querer criar o bebê.” E no final o casalzinho vinte entrega o filho e não sente nenhum remorso, nenhum apego pela criança. Achei desumano, frio e irresponsável. Com certeza muito adolescente adorou o filme. Principalmente pela protagonista, interpretada pela Ellen Page, que fez Menina Má.com, outro filme pior ainda... A personagem é altamente estereotipada e caricata. Se existir alguém na face da Terra que se comporte daquela forma, ou que tenha tal vocabulário, o que deve ser algo bem difícil, levem a um psiquiatra, ou para a Bree de Desperate Housewives criar.

Retardada

Encantada // Enchanted

Nota: 8,5

Um filme leve, tolo, frívolo, medíocre, banal e divertido. Mais um conto de fadas com o selo de qualidade da Disney. A diferença aqui é que ele passa do desenho para o mundo real, seja lá o que isso for. Bom, a história narra a saga de Giselle (Amy Adams, de Retratos de Família e Prenda-me Se For Capaz), uma princesa daquelas que falam com passarinhos, cantam para os esquilos, são lindas de morrer e estão sempre com aquela cara de abestalhada. Enfim, ela é perseguida pela malvada madrasta (Oh que novidade! Criatividade nota 10), feita pela Susan Sarandon, que abre um daqueles portais dimensionais de Greyskull e a manda pra Nova York, para que ela se distancie do Príncipe Encantado, vulgo Ciclope de X-Men ou James Marsden, como você preferir. Só que ele vai no embalo e acaba indo pra Nova York também resgatá-la. Mas quando ele chega lá, ela, que é descolada como ela só, já tá toda instalada. Ela já faz vestido de cortinas, canta para a fauna de Nova York (ratos, baratas e afins), faz farra no Central Park e ainda se engraça pro lado do Patrick Dempsey. Aí é que a história fede...

O filme é tão esdrúxulo que as gargalhadas são inevitáveis. Eu me diverti mais do que se tivesse visto uma comédia dos “hilários” Ben Stiller, Jack Black, Vince Vaughn, Adam Sandler ou Owen Wilson. Se tiver uma continuação, estarei na fila do cinema pra ver.


Robin Hood de Pochete

Valente // The Brave One

Nota: 7,5

Fazendo justiça com as próprias mãos. É o Charles Bronson? Não! É mais macho do que ele! É a Jodie Foster! Depois de ser atacada no Central Park, de ver seu noivo assassinado e ter seu cachorro roubado, a Jodie, que é uma radialista respeitada, acaba paranóica e virando uma serial killer de bandido.

O filme é divertido até. Tenta ser sério, criar um clima denso, mas a situação em si é tão surreal, que só dá pra achar tudo meio cômico. O filme conta ainda com o Terrence Howard (de Crash), fazendo um policial e ainda tem uma participação especial do Naveen Andrews, o Sayid de Lost, que faz o namorado da Jodie. A direção é do Neil Jordan, um diretor britânico que já fez coisas bem conhecidas, como a bomba Traídos pelo Desejo (aquele filme do travesti que acha que a gente não reconhece um quando vê pela frente), Michael Collins, que eu ainda não vi, Fim de Caso, que é um saco, o divertido Não Somos Anjos, Café da Manhã em Plutão, que eu não entendi bem qual é a do filme e Entrevista Com o Vampiro, que eu gostei.


Cobra Engole Cobra

Medo da Verdade // Gone Baby Gone

Nota: 7,0

Pra se ter noção como premiações são injustas, o paspalho canastrão do Ben Affleck tem um Oscar enfeitando a estante. Hitchcock e Chaplin não ganharam nenhum... Pelo menos o do Ben não foi por atuação. Foi por roteiro, por ter escrito junto com o Matt Damon aquele filme pseudo-inteligente chamado Gênio Indomável. Aquele filme tem umas cenas que são dose pra leão... Enfim, vamos ao filme!

O paspalho canastrão é o diretor desse filme. E surpreendentemente ele provou que por trás das câmeras ele é até razoável. Fez esse filme e colocou o irmão Casey Affleck pra estrelar. O irmão é muito, mas muito melhor ator do que ele. A história é sobre uma garotinha que é seqüestrada e o caso vira foco da mídia. Aí o Casey, que se não me engano é detetive junto com a namorada, a Michelle Monaghan de O Melhor Amigo da Noiva, é chamado pra ajudar a polícia a encontrar a menina. Se eu contar mais que isso estraga, só que isso daí você vai descobrir em 30 segundo de filme, mas tudo bem. Pelo menos mantém o suspense.

No elenco, Morgan Freeman, de Um Sonho de Liberdade e Menina de Ouro, Amy Ryan, que foi indicada ao Oscar Atriz Coadjuvante fazendo a mãe drogada da menina seqüestrada e o Ed Harris, de O Show de Truman, Pollock e As Horas.


Muito Barulho Por Nada…

Na Natureza Selvagem // Into The Wild

Nota: 7,0

Já pensou se todo mundo que tivesse pais que não se relacionam bem se rebelassem e fugissem sem dar mais notícias? Haveria cartazes de gente desaparecida em todos os postes de todas as esquinas do mundo. Ou não... Talvez a coisa ficasse tão banal que as pessoas nem se importassem mais. Achei exagerada demais a reação do nosso protagonista. Muita revolta por pouca coisa. Get over it!

Que ele quisesse viajar uns tempos depois de formado, tudo bem, nada mais natural, mas fazer a besteira que ele fez, só sendo muito infantil. Eu acho que ele tinha problemas emocionais, ou mentais, que o filme não abordou. Bom, como o caso é verídico, não dá pra culpar o Sean Penn pela história, mas ele tem culpa de levá-la pras telas. Bom, esse filme elevou o Emile Hirsch (de Clube do Imperador, Show de Vizinha e Alphadog) a astro do primeiro time de Hollywood (sendo indicado a vários prêmios), e ele mesmo acabou de descer esse degrau fazendo Speed Racer. Ainda no elenco William Hurt (Marcas da Violência, O Beijo da Mulher Aranha, O Reencontro), Márcia Gay Harden (Sobre Meninos e Lobos, Pollock), Katherine Keener (Quero Ser John Malkovich, Capote) e o indicado ao Oscar de Ator Coadjuvante Hal Holbrook (Homens de Honra, Wall Street).

4 comentários:

  1. Firmino... so vim ler teu blog agora, acho que li todos os filmes! Mas eu tenho que discordar de um em particular, o Into the Wild!
    Na verdade eu nao acho que ele se rebela contra uma besteira, eu acho que na verdade ele se rebela contra a coisa mais importante que alguem pode se rebelar, ele se rebela contra a si mesmo! Em meio a esse mundo que a gente vive diversas coisas nao fazem mais sentido, e portanto nao faria sentido estar nele se nao fosse pelas pessoas que a gente ama! E no dia que vc descobrir que nem isso eh verdade, eu acho que eh uma boa razao pra surtar!Num precisa se preocupar pq a maioria dos revoltados com pai e mae sao um tanto quanto futeis pra perceber coisas mais profundas como essa! Posso ta falando besteira, mas eu tenho um exemplo todo dia na minha familia que me prova que eumais e mais certa!Na verdade eu acho que ele nao se rebela, mas ele vai em busca de um novo sentido na vida, e infelizmente quando ele acha ele morre... mas esse era o espirito, que por mais drastica a situacao, as respostas estao sempre dentro de vc! eu ja viajei demais... so achei que o filme era muito bom!
    Bjo

    ResponderExcluir
  2. Oi Bia! É... eu me perdi um pouco no seu raciocínio aí, mas deu pra entender o seu ponto de vista. Na verdade a mensagem que me passou é que ele não se dava bem com os pais e resolveu sumir, viver outra vida. E sei lá, problemas com os pais todo mundo tem. Mas tudo isso se supera, e se leva a vida adiante. Desaparecer do mapa e seguir uma cruzada, sem sentido, pro Alaska é exagerado demais ao meu ver. Talvez ele tinha problemas mentais, não sei.

    ResponderExcluir
  3. Eh assim firmino, parece isso mesmo mas se eu nao me engano, tem uma frase q eh dita no filme por ele:"...rather than love, than money, than faith, than fame, than fairness... give me truth". Que mostra o q realmente ta acontecendo eh q ele... descobriu q vivia uma mentira! Nm foi algo tipo ahh minha mae nao me deixa sair, eu vou fugir, foi algo tipo minha mae e meu pai mentiram pra mim a vida, logo as pessoas q a gente sempre tem certeza q pode confiar te traem e ai???

    ResponderExcluir